Além da Ivy League: conheça as principais associações de universidades

associações de universidades

Não é só a Ivy League que se destaca em matéria de associações de universidades. Esses grupos, estabelecidos pelas instituições de ensino, representam muitas vezes os nomes de destaque em uma região ou país. E não estão restritos aos Estados Unidos, já que existem também em países como Austrália e Reino Unido há décadas.

Por trás da criação de tais grupos, estão motivos diversos. Para uns, significava uma representação unificada das melhores universidades diante do governo local. Para outros, o início do grupo foi uma liga esportiva, depois associada à excelência acadêmica e a instituições reconhecidas internacionalmente.

Conheça as principais associações de universidades:

Ivy League 

Em 1954, quando foi criada, a Ivy League era apenas uma agremiação que reunia os grupos esportivos das instituições. Os termos assinados pelas universidades incluíam o cumprimento de normas de padrões acadêmicos e ajuda financeira para atletas. Com o passar dos anos, a associação de universidades ganhou importância e, hoje, virou sinônimo de excelência acadêmica. Estudar em uma universidade da Ivy League tornou-se o sonho de estudantes ao redor do mundo.

Leia também: O que os alunos da Ivy League leem – e você também deveria

As oito universidades americanas que compõem a Ivy League (Brown, Columbia, Cornell, Dartmouth, Harvard, Princeton, Universidade da Pensilvânia e Yale) estão entre as mais famosas e competitivas do mundo. A que mais se destaca entre elas é Harvard, que concentra o maior fundo de endowment entre elas, com mais de 34 bilhões de dólares à disposição.

Entretanto, não é só Harvard que ganha os holofotes na Ivy League. Universidades como Yale formaram, por exemplo, presidentes americanos, enquanto que Princeton recebeu nomes de prestígio como Albert Einstein em seu corpo docente. Com tantos números e histórias impressionantes, fica fácil entender porque tantos alunos desejam estudar em tais instituições. Ainda assim, o processo de seleção é bastante competitivo: em média, a taxa de aceite fica abaixo dos 10%.

Russell Group

Uma das associações de universidades mais conhecidas, o Russell Group reúne instituições britânicas que são fortes em pesquisa. Criada em 1994, a liga ganhou esse nome porque o primeiro encontro informal para estabelecê-la aconteceu no Hotel Russell, em Londres. Agora, o grupo concentra boa parte dos grants e auxílios financeiros oferecidos por universidades britânicas, além de receber uma parte considerável – cerca de 30% – dos alunos internacionais que chegam ao Reino Unido.

Entre os objetivos listados pelo Russell Group, estão aproveitar a colaboração entre as instituições-membro, aumentar a independência das universidades e atrair os melhores alunos e professores para tais escolas. São, ao todo, 24 membros – incluindo nomes como Oxford, Cambridge, London School of Economics e Leeds.

Group of Eight

Em solo australiano, o destaque em termos de associações de universidades fica para o Group of Eight, que concentra as universidades mais bem colocadas em rankings universitários. Formado em 1999, o grupo inclui instituições como a Universidade de Sydney, a Universidade de Melbourne e a Universidade de Adelaide, e recebe mais de 100 mil alunos internacionais, vindos de cerca de 200 países. Outro ponto de destaque fica para o número de doutorandos: mais da metade dos alunos de PhD da Austrália.

Para oferecer oportunidades a tantos pesquisadores, o Group of Eight conta com várias fontes de funding. Não só recebe incentivos do governo australiano, como também da indústria – o que totaliza mais de 6 bilhões de dólares em pesquisa, todos os anos.

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: