Fundação Estudar
InícioColunistasAs 10 dúvidas mais comuns de quem vai fazer o IELTS

As 10 dúvidas mais comuns de quem vai fazer o IELTS

Ana Virgínia Kesselring - 07/03/2023
Comentários:

Quem deseja realizar um curso de graduação ou pós no exterior deverá comprovar domínio da língua falada no país de destino. No caso das nações cujo idioma oficial é o inglês, isso é feito especialmente por meio do International English Language Testing System (IELTS) e do Test of English as a Foreign Language (TOEFL).

Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo.

Qual prova do IELTS devo fazer?

Se você começou a pesquisar agora sobre a prova do IELTS essa pergunta pode te parecer estranha, mas há dois tipos de prova do IELTS: Academic e General. Para estudar em universidades no exterior, você deve fazer o IELTS Academic, e esse será nosso foco aqui.

Inscrições abertas para curso online e gratuito para fazer pós-graduação no exterior

Uma visão geral da prova

A prova do IELTS é dividida em 4 seções: Listening, Reading, Writing e Speaking. Ela é uma prova feita em papel ou em computador, e a seção do Speaking é feita cara a cara com o avaliador. É muito importante saber que a prova pode ser dividida em dois dias, o que é bem comum.

Diferentemente de outras provas de proficiência como o TOEFL IBT, as seções de Listening e Reading não apresentam apenas questões de múltipla escolha. Há questões em que você deve completar com a informação pedida. Elas são minoria, mas nelas você deve ter atenção redobrada porque erros de ortografia fazem com que a questão seja considerada incorreta — não há meio certo. No Writing, você terá que escrever duas redações: uma analisando um gráfico ou uma tabela e outra dando sua opinião sobre um tema.

Na seção do Speaking, você responderá a perguntas pessoais. Falará de sua rotina, dos seus hábitos e dos seus gostos. Você também poderá ser perguntado sobre coisas mais específicas como uma festa a que foi ou uma viagem que fez. E, por último, você falará sobre temas mais abrangentes como cultura no Brasil, educação ou valores da sociedade em que vive, sempre colocando sua opinião. A seção do Speaking dura em média entre 11 e 14 minutos.

Você pode conferir no site oficial do IELTS modelos para cada seção da prova

Onde se inscrever

A inscrição para a prova do IELTS é feita online no site do British Council . Algumas unidades da Cultura Inglesa também aplicam a prova. No site do IELTS é possível encontrar uma lista com as unidades aplicadoras e fazer sua inscrição. Atualmente, o custo da prova é de R$ 900 (pela versão em papel) ou R$ 920 (pela versão em computador).

Ao se inscrever na prova, você pode escolher a melhor data para você. O Speaking é feito separadamente e pode ser no mesmo dia das demais seções na parte da manhã. É comum, entretanto, que a seção do Speaking seja feita no dia anterior ou posterior das demais seções. Ou seja, se você agendou sua prova para uma sexta, pode ser que a seção do Speaking seja na quinta ou no sábado pela manhã.

As seções de Listening, Reading e Writing serão feitas na parte da tarde (início às 13h). A informação de como sua prova será dividida (se ela será toda em um mesmo dia ou não) é feita por e-mail geralmente na semana que antecede a prova.

O Estudar Fora já publicou um guia online e gratuito sobre o IELTS com todas as informações para quem está se preparando para o exame (baixe aqui o seu). Mas algumas dúvidas práticas são comuns a todos os estudantes. Confira o FAQ do IELTS abaixo:

O que muda no IELTS no computador?

De acordo com Adriana Colossio, diretora de exames da British Council no Brasil, para o candidato não há qualquer diferença entre a versão em papel e a versão para computador. “A gente chama de computer delivered, e não de computer based, porque é exatamente o mesmo teste que é feito no papel, sem nenhuma adaptação”, explica.

Segundo ela, os candidatos que já fizeram o IELTS no computador relatam ter gostado da experiência, “porque eles já estão acostumados a usar o computador o tempo todo”. Para essas pessoas, que muitas vezes nem tem mais tanta prática de escrever à mão, o formato da prova em papel pode até mesmo acabar interferindo em seu desempenho.

Fora isso, o resultado do teste sai mais rápido. De acordo com Adriana, o aluno que faz o IELTS na versão tradicional demora 13 dias para receber os resultados (nem mais, nem menos). Na versão em computador, no entanto, os resultados saem em 5 a 7 dias.

TOEFL ou IELTS? Entenda a diferença entre os exames

Em primeiro lugar, você precisa saber qual teste a universidade de seu interesse solicita e qual a nota média dos alunos que ingressaram!

Há instituições que aceitam os dois testes, mas têm uma exigência de nota menor para algum deles. É preciso ficar atento a isso! De forma geral, o TOEFL predomina nos Estados Unidos e o IELTS, na Europa e demais países com cursos em inglês.

O TOEFL é um teste feito todo pela internet, no computador, em um centro aplicador. A inscrição é feita pelo site TOEFL.org. Sua nota vai de 0 a 120, sendo que 61 é o mínimo exigido. Mas não pense que essa nota é suficiente! As boas faculdades pedem acima de 90 pontos, chegando a mais de 100 quando falamos nas escolas que estão entre as melhores do mundo, como Harvard, Columbia e Yale.

O IELTS também é um teste oferecido praticamente toda semana no Brasil e realizado em um centro aplicador. Sua nota vai de 0 a 9 pontos, e o mínimo exigido costuma ser por volta de 6 pontos. Mas também não pense que essa é a nota ideal — a pontuação necessária varia conforme a universidade pretendida, e pode chegar a 8.

Ambos verificam as habilidades em reading, listening, writing e speaking, mas há diferenças importantes entre os testes. Quer saber como decidir entre TOEFL ou IELTS? Confira as particularidades e exigências de cada um, por seções:

Sem título

Speaking

IELTS: você será avaliado em 3 etapas. Haverá um teste oral com um entrevistador, que fará perguntas gerais sobre você: o que gosta de fazer em seu tempo livre, se estuda, trabalha, lugares que frequenta e as razões que o levam a determinadas escolhas. Aqui, sua participação é menos ativa, pois o entrevistador fará perguntas específicas e exigirá que você use determinadas estruturas gramaticais e tempos verbais. É uma seção que se espelha mais na realidade e, por isso, costuma ser mais fácil que a do TOEFL.

TOEFL: a entrevista é realizada via computador, o que quer dizer que não há interação com um examinador — somente com a máquina. Suas respostas são gravadas e ouvidas depois pelos avaliadores. É algo menos real e, por isso, exige mais treino. Você terá que mostrar o que sabe para o entrevistador (computador, no caso): utilizar comparativos, discourse markers, linguagem mais formal e estruturas gramaticais avançadas fazem sua nota aumentar. Veja aqui frases para usar nessa seção.

Listening

IELTS: o inglês é predominantemente britânico com algumas variações de sotaque. As questões e o vocabulário abordados são de um inglês regular, e não é exigido nenhum conhecimento avançado ou específico. As questões variam do nível pré-intermediário até o avançado.

Esta parte do teste consiste em 4 seções que envolvem preenchimento de lacunas e questões de múltipla escolha. Algumas delas pedirão que você escolha, dentre cinco opções, duas ou três que estejam corretas. O teste exige uma participação mais ativa do que o TOEFL. Isto é, você precisa fornecer dados que não estão na prova e que requerem conhecimento prévio. Se não estudar, não adianta achar que no teste você vai “se virar”.

TOEFL: o inglês é estadunidense e há questões que envolvem o ambiente acadêmico, tanto situações gerais dentro do campus como aulas de matérias específicas.

As respostas são encontradas no teste e a participação do candidato é menos ativa. Ou seja, as respostas estão prontas e você só precisa encontrar uma alternativa correta (teste de múltipla escolha) dentre as quatro fornecidas. É uma seção mais padronizada e previsível: todos os testes têm o formato muito parecido. Assim, estudando a estrutura do teste, é mais fácil de aumentar sua nota. Todas as questões estão em ordem e não há como se perder.

Reading

IELTS: você precisa não só de um bom nível de compreensão e de vocabulário, como também de gramática. Entender a intenção do autor é importante e, por isso, uma bagagem de leitura é essencial para essa seção do teste. Definitivamente, a seção de reading do IELTS é mais exigente e menos previsível que a do TOEFL.

TOEFL: os textos são bastante acadêmicos, mas o vocabulário é sempre colocado dentro de contexto, o que torna mais fácil o seu entendimento. Entender sufixos e prefixos ajudam o aluno a responder às questões de vocabulário. Exige menos treino do que o IELTS, mas isso não quer dizer que seja fácil.

Writing

IELTS: você terá duas redações. A primeira será de interpretação de dados e terá a duração de 20 minutos. É muito importante saber comparativos e conhecer verbos específicos para falar de dados. Não há a expressão de opinião nesta redação: os dados já são fornecidos e você terá que reproduzi-los no texto.

Já a segunda redação é muito parecida com a do TOEFL, em que você deve expressar seu ponto de vista sobre um assunto, e você terá 40 minutos para desenvolvê-la. Quanto mais profundo e convincente for seu texto, melhor será sua nota.

TOEFL: você também terá que escrever duas redações. A primeira envolverá reading e listening: você terá que ler um pequeno texto, ouvir um trecho de fala em inglês e responder o que cada um deles acrescentar ao outro. É importante ter um modelo a seguir e escrever uma redação bem clara e organizada. Todo o conteúdo estará nos materiais fornecidos e não é necessário expressar opinião.

Na segunda redação você deverá expressar sua opinião, mas essa opinião, em si, não contará pontos. O importante é a organização de ideias e a coerência do seu texto. Veja aqui dicas valiosas para a seção de writing.

Nos dois casos, um texto claro e uma boa gramática são essenciais para tirar boas notas. O IELTS é mais exigente no conteúdo em si, enquanto o TOEFL cobra mais organização de ideias.

Resumindo: quais são as diferenças?

O TOEFL é um teste bem padronizado, o que torna um pouco mais fácil a preparação do aluno. Já o IELTS exige uma base sólida em todas as habilidades. Se você puder escolher entre os dois e seu nível de inglês não for muito avançado, o TOEFL pode ser a melhor escolha, pois você conseguirá se preparar para tirar uma boa nota em um intervalo menor de tempo.

Em todo caso, conhecer bem a estrutura dos testes e treinar especificamente para eles é o grande diferencial. Não adianta apenas “saber inglês”, é preciso estudar para as provas. Não há segredo: quanto mais treino e estudo, melhor será a sua nota!

O que é uma nota boa no TOEFL ou IELTS?

Avaliar o que é uma nota boa em exames padronizados é um tanto relativo. O que você deve levar em conta é o que as universidade pedem. As graduações geralmente variam entre 80 ou 90 pontos no TOEFL. Algumas mais competitivas pedem no mínimo 100 pontos, que é o que os mestrados e MBAs pedem também. No IELTS, a nota mínima costuma ir de 6 a 7, em alguns casos até 7,5.

Estudantes contam como conquistaram nota excepcional no IELTS

A nota máxima possível no teste é 9, e ela é dada pela média da pontuação do estudante em cada uma das quatro seções. A nota mínima exigida por universidades internacionais varia. Instituições de excelência costumam determinar que o aluno tenha ao menos 7.5 pontos no exame, e que a pontuação em cada seção seja maior do que 7.

A pedido do Estudar Fora, dois alunos que conquistaram nota 8 compartilharam as suas estratégias de estudo: Aline Khoury, de 26 anos, foi aceita no programa de Doutorado em Desenvolvimento Social na Universidade de Cambridge; Caio Cardos, também de 26 anos, foi aprovado no MBA em Football Industries na Universidade de Liverpool. Veja a seguir as dicas deles:

1 – Faça simulados

Dominar o inglês nem sempre é sinônimo de boas notas no IELTS. A prova tem exigências específicas e um limite de tempo que, para muitos alunos, é apertado. Por isso, é preciso acostumar-se com a duração de cada etapa – e fazer simulados do teste é uma ótima forma de aprender a administrar o tempo.

“Apesar de eu saber o conteúdo da prova e do idioma, eu era lenta. Então, além de fazer algumas aulas particulares, fiz simulados na internet, sempre cronometrando o tempo, o que foi fundamental para que eu superasse essa dificuldade”, diz Aline Khoury.

2 – Combine seus interesses com o idioma

Durante a preparação para o IELTS, é importante estar em contato com o inglês o máximo de tempo possível. E uma boa forma de evitar que isso fique cansativo é incluir o idioma em atividades de lazer, como ao ler um livro, assistir televisão e ir ao cinema. “Sempre gostei de ler livros e notícias relacionados a esporte. Então, antes da prova, passei a procurar por livros e sites em inglês sobre o assunto, além de ouvir a rádio BBC 5 Live pela internet, que aborda o tema”, diz Caio Cardoso.

https://youtu.be/ekXk8Ir2Vqc

3 – Identifique a sua dificuldade

Ao estudar para o IELTS, é importante perceber em quais aspectos você possui maior dificuldade para dar mais atenção a eles. “Como o meu maior problema era controlar o tempo na hora de fazer a redação, escrevia textos todos os dias”, explica Aline. “Além de administrar o tempo, escrever ajuda a memorizar as fórmulas de estrutura de uma redação e tornam essa tarefa cada vez mais natural.”

4 – Leia notícias em inglês

Para Caio Cardoso, ler notícias em inglês contribuiu com a sua nota por vários motivos. “Além de treinar para o reading, ler jornais ajuda a compreender como é a escrita formal no inglês, a ter ideias de conteúdo para a redação e a incrementar o vocabulário. Quando eu não sabia alguma palavra, logo procurava o significado no dicionário, então era algo novo que estava aprendendo”, diz.

5 – Fale em inglês sempre que possível

Muitos alunos acabam não tendo bons resultados no IELTS na seção de speaking porque, embora saibam falar inglês, não têm o hábito de conversar no idioma e se sentem travados na hora da prova. “Eu nunca tinha feito intercâmbio em um país de língua inglesa, mas sempre coloquei em prática o idioma em viagens de lazer e ambientes acadêmicos, como congressos, e acredito que isso tenha contribuído com o meu desempenho. Conversar com estrangeiros pela internet ou com amigos também ajuda muito nesse sentido”, diz Aline.

6 – Crie o seu próprio dicionário

Estudar para o IELTS, ler textos, ouvir músicas, assistir a filmes e conversar em inglês ajudam a ampliar o vocabulário do estudante. Se você anotar toda as novas palavras que aprender, fica mais fácil memorizá-las. “Eu criei um caderno de vocabulário e separei por temas. Por exemplo: meio ambiente, educação e sustentabilidade. Assim, se algum assunto parecido fosse abordado no writing ou no speaking, eu teria mais opções para me expressar”, comenta Caio.

Diretora do IELTS no Brasil dá dicas para ir bem na prova

De acordo com Adriana Colossio, diretora de avaliação do British Council no Brasil, o IELTS é aceito como comprovação de proficiência em inglês em mais de 9.000 instituições de ensino no mundo todo. E cerca de 3.400 dessas instituições são nos Estados Unidos. Trata-se, portanto, de um exame capaz de abrir muitas portas.

Ele se diferencia do TOEFL em muitos pontos que comentamos acima. Mas mesmo com essas diferenças, o IELTS tem uma semelhança com outros exames: se você quiser ir bem, precisa estudar! E não é só enfiar a cara nos livros e esperar que tudo dê certo: é preciso saber como se preparar para a prova para tirar a melhor nota. Confira a seguir algumas dicas de Adriana para o IELTS:

1 – Devore o material de estudo!

Assim como qualquer avaliação, o IELTS exige estudo e dedicação de quem pretende tirar uma boa nota. E, felizmente, há muito material gratuito de alta qualidade no próprio site do British Council para quem deseja se preparar para o exame. “Tem curso preparatório de 30 horas, 9 tutoriais, mais de 100 atividades interativas, simulados para as 4 habilidades, apps para estudar em qualquer lugar”, lista Adriana.

Os candidatos que se inscrevem para o IELTS ganham acesso ao curso de 30 horas, chamado Road to IELTS. Fora isso, a plataforma Future Learn oferece cursos gratuitos para a prova, e o site do British Council tem vídeos, aplicativos e outros recursos para quem quer se preparar.

2 – Garanta que você já está no nível certo

Adriana reforça que a prova do IELTS tem a função de comprovar o nível de inglês do candidato. Ou seja: a ideia não é que você faça a prova como um meio de aprender inglês, mas sim para ter um documento que prove que você já fala. E a prova avalia níveis de proficiência intermediários ou avançados.

“Se o candidato tem um nível básico, a prova sequer consegue avaliá-lo”, conta Adriana. Na hora de estudar para o IELTS, portanto, você deve estudar para se preparar para a prova; se a matéria for incompreensível para você, é sinal de que você ainda precisa treinar mais inglês antes de tirar o certificado.

3 – Entenda a estrutura da prova

Além de ter um nível intermediário ou avançado de inglês, o candidato já precisa ter uma ideia do que esperar da prova para ir bem. Se não, pode acabar perdendo muito tempo tentando entender o que cada exercício exige dele. Por isso, uma das principais dicas para o IELTS é conhecer a estrutura da prova.

A parte escrita do IELTS (que inclui as seções de reading, writing e listening) dura 2 horas e 45 minutos; o speaking, por sua vez, dura outros 15 minutos, e pode ser realizado em uma data diferente da prova escrita. “O candidato tem que desenvolver técnicas e saber o que vai ser exigido em cada parte”, diz Adriana.

4 – Estude com cronômetro

Não basta dar as respostas certas a cada pergunta para ir bem no IELTS: é necessário fazer isso dentro do tempo adequado! Não adianta dominar plenamente o conteúdo exigido na prova se você não conseguir preencher o gabarito antes de que o tempo acabe. “Já vi gente perder nota porque não conseguiu terminar no tempo”, conta Adriana.

Por isso, é importante prestar atenção no tempo enquanto estuda para a prova. A melhor maneira de fazer isso é ter um cronômetro do lado durante os estudos. Assim, o candidato consegue saber quais tarefas estão exigindo mais do seu tempo. Isso ajuda a se planejar adequadamente para cada seção da prova.

5 – Faça simulados

Gastar R$ 840 reais para fazer o IELTS e descobrir, só na hora da prova, que precisava ter estudado mais é uma situação pela qual ninguém precisa passar. O jeito mais fácil de evitar isso é estudando para a prova por meio de simulados. Eles não só ajudam a ter uma ideia do que esperar, como também permitem que você avalie como está indo (e quanto tempo está levando) em cada parte da prova.

O próprio site do British Council oferece dicas para o IELTS e simulados de todas as partes da prova. Nas partes dissertativas, eles permitem que você compare suas respostas com algumas respostas modelo, para saber o que os corretores esperam dos candidatos. Os simulados podem ser acessados aqui.

Segundo Adriana, o simulado também te dá ideia do que esperar do seu desempenho na prova. “Se você precisa de 7 e tira 5, tá longe ainda. Esses dois pontos podem exigir mais um ano de curso regular de inglês”, comenta. Por outro lado, se você precisa de um ponto ou meio ponto além do que tirou no simulado, estudar por conta própria ou fazer um curso preparatório podem ser suficientes. Afinal, não há dicas para o IELTS que consigam contornar a necessidade de mais estudos.

6 – Não pode fazer aula? Não tem problema!

Segundo Adriana, não é essencial fazer aulas para se preparar para o IELTS. “Hoje em dia, o material de self study é muito rico”, avalia. Naturalmente, alguns candidatos podem achar interessante fazer aulas mais focadas para ajudar na disciplina de estudos ou reforçar essa ou aquela habilidade. Mas ela também considera que, se o candidato sentir necessidade de muitas aulas antes de fazer a prova, pode ser sinal de que ele precisa se preparar melhor antes de tirar o certificado.

Leia também: 6 ferramentas para estudar inglês de graça

7 – Incorpore o inglês à sua rotina

Estudar por meio de exercícios e simulados é bom. Mas há outras maneiras de estudar também: mudando a língua padrão das suas redes sociais para inglês, por exemplo. Ou se esforçando para assistir a filmes em inglês sem o auxílio de legendas. Incorporar o inglês ao seu dia-a-dia é uma das melhores dicas para o IELTS – e para qualquer outra prova que avalie sua habilidade na língua.

Adriana também sugere ler matérias e notícias em sites em inglês, para aumentar seu vocabulário, ou procurar pelas versões originais de livros escritos em inglês em vez de recorrer a traduções.

8 – Descanse antes da prova

Vale lembrar: o IELTS é uma prova desafiadora, com quase três horas de duração, cujo resultado pode ter impactos profundos na sua trajetória profissional, acadêmica e pessoal. Ou seja: é importante estar descansado e preparado para ela.

Como estudar para o IELTS de graça em 7 dias

Em 2017, a jornalista do Estudar Fora Priscila Bellini compartilhou aqui no portal a sua experiência estudando para o TOEFL em apenas uma semana. E eu fiquei encucada com o desafio: seria possível fazer o mesmo e me preparar para o IELTS em sete dias?

https://www.youtube.com/watch?v=UNXbZ2L081c

A resposta honesta é que foi difícil, sim. Mas não foi impossível. Quer saber o passo a passo da preparação? Ao final, eu conto o resultado.

Passo 1: Calibragem

Comecei minha preparação no sábado anterior à minha prova — sendo que o exame oral já estava agendado para sexta-feira. Importante pontuar aqui que eu não comecei do zero: já conhecia um pouco da estrutura do IELTS e já tinha lido o e-book do Estudar Fora sobre o exame. Então, minha primeira decisão foi entender quais eram minhas maiores dificuldades e em que seção/tipo de questão eu deveria focar meus esforços.

Acessei, então, um dos simulados gratuitos no site do IELTS e tentei resolvê-lo na sequência que seria seguida no dia da prova, com tempo marcado. Já neste simulado, detectei minha maior dificuldade: tinha errado quase todas as questões de spelling (o famoso “ditado”).

Para tirar a dúvida, fiz ainda outro simulado e identifiquei todos os modelos de questão que tinha mais dúvidas. Isso me preparou para a definição da minha estratégia de estudos, que elaborei no dia seguinte.

Passo 2: Definição de Estratégia

No dia seguinte, acordei e já comecei a planejar minha semana de estudos. Aí, acredito que o candidato tem dois caminhos:

Opção 1: Quem está almejando uma nota intermediária, entre 5 e 6

Nesse caso, com apenas uma semana de preparação, eu não olharia muito para as questões em que tenho mais dificuldade. Focaria todos os meus esforços em garantir aquelas questões em que já tenho mais facilidade/conhecimento para que, no resultado final, elas se compensem.

Lembrando, porém, que muitas universidades exigem que nenhuma das habilidades (Speaking, Listening, Reading e Writing) tenha uma nota muito baixa ou zerada. Mas mesmo dentro das diferentes habilidades há modelos de questões diferentes e, pode-se dizer, mais ou menos complexos. Então eu focaria em treinar todas as habilidades, mas com ênfase nas questões em que já sinto maior facilidade.

Opção 2: Quem está almejando uma nota alta, entre 7 e 9

Aí não tem muita escolha: você tem que se destacar nos detalhes. Então, eu optei por focar justamente nas questões em que tinha mais dificuldade para melhorar meu desempenho e não ficar abaixo de 7 em nenhuma seção.

Como já tinha visto que minha maior dificuldade eram as questões de spelling, separei pelo menos uma hora por dia na minha agenda da semana para treinar só aquilo. Mais duas horas eram para treinar o Speaking, pois sabia que o nervosismo me pegaria quando estivesse frente a frente com o examinador (sim, diferente do TOEFL, o exame oral no IELTS é cara a cara com um avaliador). E no restante do tempo, cerca de duas horas, eu estudaria uma seção por dia e finalizaria com um simulado do exame completo.

Para não me perder, anotei todas estas divisões do tempo no meu calendário do Google (que também é sincronizado com o celular, então eu receberia alarmes de quando começar cada seção de estudos).

Passo 3: Estudar!!!

Comecei pelo Writing. Fiz quatro redações logo pela manhã — duas mais curtas e duas mais longas, como seriam pedidas no exame. Já que seria muito exaustivo escrever quatro redações seguidas, intercalei-as com treinos de Speaking, que eram mais leves. À tarde, encontrei vários vídeos no YouTube que me ajudariam com as questões de spelling. Por fim, marquei meu cronômetro e fiz mais um simulado completo — incluindo mais duas redações — no tempo exato que seria exigido na prova.

Os dias que se seguiram foram neste ritmo — intercalando exercícios de diferentes seções e, mesmo nas horas de descanso, assistindo a uma série ou ouvindo um podcast em inglês. Para quem está muito acostumado ao inglês dos Estados Unidos, sugiro experimentar Downtown Abbey (é ótimo para incrementar o vocabulário); Sherlock (tudo bem voltar para tentar entender tudo o que Cumberbatch falou) e Doctor Who, um clássico britânico.

Passo 4: No dia da prova, entre no clima

Na sexta-feira, dia do Speaking, estava super nervosa, então fui conversando sozinha quase todo o caminho — respondendo a perguntas sobre temas que eu sabia que poderiam surgir. Não era hora de ter vergonha: fui falando, em voz alta, pronunciando bem as palavras, mesmo estando no meio da rua e no metrô. Falei sobre meus interesses, minha família e minha comida preferida.

Depois do Speaking, que foi na sexta à tarde, confesso que tirei um pouco do peso das costas e decidi não estudar mais. Ao invés disso, fui assistir a um filme (também em inglês) e ler alguns posts no Quora (para quem não conhece, é uma rede social de perguntas e respostas — viciante!), também em inglês.

No dia do teste escrito já estava bem mais tranquila. Muitas pessoas falam que é importante ler ou ouvir algo em inglês antes de entrar na sala mas, para mim, foi importante relaxar um pouco conversando com as pessoas que, como eu, estavam na sala de espera e abstrair da tensão sabendo dos planos que elas tinham ao fazer o exame. Essa descontração me ajudou a entrar descansada na prova, o que foi bem importante para que eu durasse todo o exame.

No fim, deu certo. Fiquei com um score final de 8 (de 9), e minha nota mais baixa foi 7, no Writing. E, adivinhe só, sabe o ditado? Foi minha melhor questão do Listening ????.

As 10 dúvidas mais comuns sobre o IELTS

1. Como é o formato do teste ?

O teste avalia suas habilidades em compreensão auditiva (listening), compreensão de texto (reading), escrita (writing) e fluência oral (speaking). Existem dois tipos de testes: o “Academic” e o “General Training”. O primeiro normalmente requerido para quem vai estudar no país e o segundo para quem vai trabalhar. O listening e o speaking são iguais para os dois testes; no entanto, o Reading e o Writing variam um pouco.

O Listening, Reading e o Writing são realizados no mesmo dia, sem intervalos entre eles. O Speaking em até uma semana antes ou depois deles. O tempo total é de 2 horas e 45 minutos.

Leia também: Ferramenta online de preparação para o TOEFL oferece teste gratuito

2. Por que devo escolher o IELTS como exame de proficiência ?

Você deve escolher este exame se a faculdade em que está ingressando solicita este exame e dá preferência para ele. Normalmente, quando a universidade dá preferência ao IELTS, a nota requerida de outro exame como o TOEFL é muito mais alta se comparada à nota requerida pelo IELTS.

Se as notas forem equivalentes, você pode escolher entre os dois exames. Neste caso, o IELTS é mais indicado se você já tiver prestado algum outro exame de Cambridge como FCE, CAE ou CPE ou se o seu background de inglês foi bastante acadêmico e você teve oportunidade de estudar muita gramática. Se, por outro lado, você aprendeu inglês viajando ou não teve a oportunidade de estudar tanta gramática, o IELTS não é o mais recomendado.

3. Quanto tempo eu demoraria para me preparar para o IELTS ?

Depende da nota que você está precisando. No entanto, se precisar de 6,5 que é uma nota bem comum, no mínimo 40 horas, considerando que o seu nível for até intermediário avançado. Se tiver nível avançado, normalmente 20 horas seriam suficientes.

4. Como me inscrever?

As inscrições são feitas no site do IELTS Brazil, e é recomendado que se faça a inscrição no mínimo cinco semanas antes da data desejada. A inscrição custa R$ 840,00 e a prova é oferecida em 9 locais diferentes (como São Paulo, Rio de Janeiro,  Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Natal, Porto Alegre e Recife). As datas estão disponíveis no site do IELTS no momento do registro e estão disponíveis praticamente todo os meses do ano.

5. Consigo me preparar sozinho para este exame ?

Para as seções de reading e listening, sim. Porém, melhorar sozinho as habilidades de comunicação oral e escrita é difícil, pois você precisa de feedback e correção.

Leia também: Vai estudar inglês sozinho? Confira recursos que podem ajudar a desenvolver o idioma

6. Como posso treinar para o teste ?

Existem cursos online em que você pode praticar bastante, o próprio site do IELTS oferece simulados. Além disso, existem livros de simulados e livros preparatórios para o IELTS. Além de cursos presenciais. Minha recomendação é fazer simulados, estudar gramática solidificando estruturas de nível básico, intermediário e avançado e contratar um professor (ou um amigo fluente) que possa ajudá-lo a formatar e corrigir as redações, além de treinar o speaking.

7. Posso usar meu celular durante a prova ?

Não.

8. O teste é feito em papel ou no computador ?

Em papel. Você deverá escrever a lápis nas seções de Listening e Reading, porém no Writing pode ser tanto caneta ou lápis. O estudante só poderá levar para a sala da prova lápis, caneta, apontador, borracha e um documento de identificação (o mesmo indicado no momento da inscrição). Não é permitido entrar com celular nem mochila, mas é possível deixá-los em um guarda-volumes no dia da prova.

9. Qual é a pontuação e quando receberei o resultado?

Não é possível “reprovar” no IELTS: a pontuação vai de 0 a 9 pontos. O resultado estará disponível para consulta no site depois de 13 dias corridos, e o documento oficial será enviado por correio na mesma data.

Leia também: 4 dicas da neurociência para aprender uma língua mais rápido

10. Posso refazer o teste ?

Sim, mas recomendamos um pouco mais de estudo entre um teste e outro para que seja possível aumentar a nota.

Com colaborações de Ana Virigina Kesselring e Fernanda Frattarola

Ana Virginia Kesselring é administradora de empresas com especialização em Psicopedagogia Clínica e Educacional e tem mais de 15 anos de experiência no ensino de idiomas. É diretora e proprietária da Virginia Center School, uma instituição de ensino de idiomas especializada em preparar estudantes para o TOEFL, o SAT, o GRE e o TOIEC.

Fernanda Frattarola é formada em Letras (Português / Inglês e respectivas literaturas) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Assim como grande parte dos nossos leitores, Fernanda sempre teve o sonho de morar e estudar fora. Em 2006, fez um intercâmbio para os EUA e em 2011 fez outro para a Irlanda. Desde 2013 Fernanda se dedica a preparação online de alunos para as provas de proficiência do TOEFL e IELTS. Confira seu site!

O que você achou desse post?

Sobre o escritor

Ana Virgínia Kesselring
Ana Virginia Kesselring, Diretora e Fundadora da Virginia Center School, é College Counselor Certificada pela Universidade da Califórnia em San Diego (UCSD) e Psicopedagoga especialista em preparação para estudar fora e em exames internacionais como o SAT, ACT, TOEFL, IELTS, GRE, GMAT e Duolingo English Test.

Artigos relacionados