Um projeto: Fundação Estudar

Intercâmbio

O que você precisa saber para ter uma experiência de estudos em outro país

08.03.16

Conheça os principais exames de proficiência exigidos por universidades

Conheça os principais exames de proficiência exigidos por universidades

Muito além do TOEFL e do IELTS: conheça os principais certificados exigidos por universidades para aceitar estudantes internacionais e saiba como prestá-los.

Por Beatriz Montesanti

Embora não sejam obrigatórios, exames de proficiência são frequentemente exigidos dos alunos internacionais pelas universidades, especialmente em países em que a língua inglesa é oficial.

Esses testes são importantes para provar que o aluno é fluente em determinado idioma e, portanto, não encontrará barreiras para acompanhar aulas ministradas em outra língua.

No Brasil, são aplicados por entidades oficiais, que representam determinada cultura estrangeira no país – como é o caso do British Council, do Instituto Cervantes, da Aliança Francesa e do Goethe Institut. Dependendo do exame, não existe uma pontuação mínima para aprovação: cada universidade determina um nível de desempenho necessário aos candidatos.

“As faculdades academicamente mais fortes pedem notas mais fortes, e as mais fracas pedem notas mais fracas. Conforme vai crescendo o nível acadêmico, o nível da nota vai subindo, inclusive para o intercâmbio”, explica Ana Virginia Kesselring, especialista na preparação de estudantes para provas de língua inglesa, como o TOEFL e o IELTS.

Por esse motivo, Ana Virginia alerta: o ideal é sempre escolher primeiro a universidade, para depois se preparar para determinado exame. No site das instituições é possível checar não apenas qual tipo de avaliação será exigido, mas também qual é a nota mínima necessária para ser admitido.

Tem dúvidas a respeito dos exames de proficiência? Mande sua pergunta pra gente!

“Tem gente que acaba desistindo do sonho porque não tirou a nota na primeira vez que prestou o exame. Mas com dedicação, não é difícil conseguir”, diz a especialista. Para ela, vale a pena enfrentar a prova mais de uma vez, desde que haja empenho.

Na lista abaixo, conheça um pouco mais sobre os principais exames de proficiência para cada língua:

  • Inglês: TOEFL, IELTS e exames de Cambridge

TOEFL e IELTS são os dois mais comuns para a língua inglesa e podem inclusive ser exigidos por universidades de países em que esta não é a língua oficial, mas que têm cursos ministrados em inglês.

Segundo Ana Virginia, o TOEFL predomina nos Estados Unidos, e o IELTS na Europa e demais países com cursos em inglês. “Por isso, escolha primeiro o destino para depois se preparar para os exames”, recomenda.

A nota do TOEFL vai de 0 a 120. Boas universidades costumam exigir um mínimo de 90 pontos, sendo que as notas para mestrado e doutorado tendem a ser ainda maiores. Já a pontuação do IELTS vai de 0 a 9. As inscrições para cada um dos exames podem ser feitas pela internet e o valor gira em torno de US$ 200 (cerca de R$ 750).

Ana Virginia também chama a atenção para provas como o CPE (Certificate of Proficiency in English) e CAE (Cambridge Advanced Examination), que não têm prazo de validade – interessantes, portanto, para o currículo profissional, porém raramente aceitas pelas universidades.

“Quando você vai para o intercâmbio, eles exigem uma nota recente. O CPE é um exame muito difícil, então não vale a pena a pessoa estudar para ele sem ter um objetivo claro”, comenta.

  • Espanhol: DELE e SIELE

Os DELE são os diplomas de língua concedidos pelo governo da Espanha. Eles têm validade por tempo indeterminado e, até este ano, eram a única referência de proficiência no idioma. Em 2015, porém, foi desenvolvido o SIELE, que compreende todas as variantes da língua e tem validade de dois anos. O exame é feito por uma parceria entre Espanha e México e será aplicado pela primeira vez em 2016. 

Existem seis provas diferentes de DELE, que avaliam as competências e níveis de fluência da língua (do A1 ao C2). No site do Instituto Cervantes é possível saber mais sobre cada nível e descobrir o grau de dificuldade de cada um vendo modelos de exames.

O SIELE, por sua vez, será dividido em quatro provas que compreendem as diferentes competências da língua (leitura, audição, escrita e oral). O candidato pode optar por avaliar apenas algumas dessas competências. Os exames serão realizados de forma eletrônica em centros autorizados. Mais informações estão disponíveis no site oficial do exame.

Assim como ocorre com a os exames em língua inglesa, é importante saber, antes de prestar a prova, qual é o nível de exigência da universidade para qual o estudante pretende se inscrever ou se o diploma é sequer uma exigência. Para intercâmbios de curta duração, não é comum que se exija o certificado. Em outros casos, não depende da nota em si, mas do diploma do nível certo.

Diferentemente dos exames de proficiência em inglês, porém, os DELE e o SIELE não podem ser prestado a qualquer momento. Há um cronograma de provas para cada ano: as inscrições em 2016, por exemplo, começam em abril e os valores para prestar os exames vão de R$ 210 a R$ 450.

  • Francês: DELF / DALF

Quando falamos de língua francesa, falamos de DELF e DALF. No Brasil, a única instituição autorizada a aplicá-los é a Aliança Francesa, que estabelece um mesmo calendário de provas e taxa de inscrição para todo o país.

Ao todo, são seis diplomas oficiais, correspondentes a seis níveis diferentes. No geral, universidades exigem diplomas dos níveis B2 ou C1 para admitir estudantes estrangeiros. Os diplomas têm validade permanente e, para prestá-los, é necessário fazer antes uma avaliação para saber o nível mais adequado. Mais informações sobre essas etapas estão no site da Aliança.

As provas são aplicadas duas vezes ao ano, uma no primeiro semestre e outra no segundo. Em 2016, as inscrições para participar das provas de junho vão do dia 14 de março até 15 de abril, e para prestar a prova em novembro vão de 15 de agosto a 16 de setembro. O calendário completo está disponível aqui. As inscrições devem ser feitas presencialmente em unidades da Aliança Francesa e custam entre R$ 172 a R$ 612.

  • Alemão: Goethe-Zertifikat

Participar de aulas ministradas em alemão parece o maior dos desafios, por isso certo preparo é necessário.

Os exames que comprovam conhecimento deste idioma são chamados Goethe-Zertifikat e são aplicados pelo Goethe Institut no Brasil. Existem ao menos 11 avaliações, que medem os diferentes níveis de competência, desde A1 para iniciantes até C2 para o nível mais alto. Novamente, a exigência muda de universidade para universidade. Saiba mais sobre cada exame aqui.

As provas acontecem duas vezes ao ano. O calendário para os exames que serão aplicados no primeiro semestre de 2016 está disponível aqui. Valores vão de R$ 165 a R$ 575, dependendo do nível.

  • Mandarim: HSK

Menos conhecido que os outros exames, o HSK avalia a proficiência dos estudantes em mandarim. São seis níveis de avaliação, que medem, em termos gerais, a quantidade de vocabulário que o aluno domina – sendo uma faixa de 150 “hanzis” (caracteres chineses) para o nível I e 5 mil para o nível VI.

No Brasil, o Instituto Confúcio é o único órgão autorizado pelo governo da China a aplicar o HSK, bem como a versão do teste voltada para adolescentes, o YCT. As datas e os valores dos exames variam de acordo com os centros de aplicação, mas em geral são realizados duas edições por ano, com valores que vão de R$ 30,00 a R$ 350,00.

Para quem pretende prestar o exame a fim de ser admitido em uma universidade chinesa, é importante observar que a maior parte dos cursos oferecidos a estrangeiros na China exigem certificado de inglês. Um diploma de mandarim, porém, pode ser visto como diferencial pelos selecionadores.

Tem dúvidas a respeito dos exames de proficiência? Mande sua pergunta pra gente!

Leia também:

5 cursos online e gratuitos para aperfeiçoar o inglês
Quanto tempo de estudo é necessário para se tornar fluente?
Estudantes contam como conquistaram notas excepcionais no IELTS

Conecte-se ao Estudar Fora

Leia Mais

impacto social
estudar na Asia
tudo sobre o GMAT
estudar idiomas