Um Projeto: Fundação Estudar
estudar na alemanha sem falar alemão

Brasileira conta como conseguiu bolsa integral na Alemanha… sem falar alemão

Por Lecticia Maggi

Por Jéssica Ribeiro

Em 2014, Natália Garcêz estava em um momento decisivo de sua vida: havia se formado em Design há um ano e trabalhava desde o início da faculdade. Segundo ela, era um momento estressante, pois estava cansada da rotina e  desacreditada do mercado de design em que estava vivendo.

A partir deste momento de reflexão, Natália percebeu que precisava tentar algo novo. Ela queria voltar a estudar, mas de forma mais focada. Chegou a olhar as opções de mestrado no Brasil mas, para se manter aqui, teria que repetir a rotina intensa de conciliar trabalho e estudo. Foi quando a começou a fazer pesquisas sobre as possibilidades de estudar no exterior. “Busquei uma bolsa de estudos para focar na minha prioridade: trabalhos acadêmicos, experimentais e pesquisa. Para mim, quanto maior a mudança na rotina, melhor seria”, conta.

Não vou dizer que é um mar de rosas estar em um país de língua tão complicada. Mas estar fora da sua zona de conforto é evoluir

Foi nesta busca que Natália encontrou o DAAD, órgão do governo que promove a educação superior alemã e oferece bolsas para estudar no país, que ela já admirava. Ela se candidatou online e foi aprovada. “Ao tomar a minha decisão de vir para cá, considerei a minha admiração pelo Design alemão e busquei ficar próxima de Berlim”, cidade que é um pólo relevante deste mercado. Hoje, Natália está no segundo semestre do mestrado de Design em Dessau, cidade a uma hora e meia de Berlim.

Ela, que não falava alemão antes de ir, disse que aprendeu muito nos primeiros quatro meses de intercâmbio, quando o programa da bolsa oferece um curso intensivo no idioma. “Não vou dizer que é um mar de rosas estar em um país de língua tão complicada. Mas estar fora da sua zona de conforto é evoluir. E estar aqui é se sentir desconfortável 100% do tempo. É encantador estudar e morar com pessoas de outras partes do mundo, de culturas, expectativas e sonhos diferentes”.

Natália, que ao finalizar o mestrado pretende se arriscar no mercado de design alemão, conta que gostaria de trabalhar em agências voltadas para ações sociais ou ONGs. “Gostaria de absorver o máximo de conhecimento aqui para poder voltar para o Brasil com condições de aplicar meu aprendizado da forma que eu acredito ser valiosa para o país”.

Para quem deseja tentar a bolsa do DAAD, ela acredita que, além de um bom portfólio e currículo, uma carta de motivação honesta e que mostre o interesse do candidato é fundamental. “Quando eu consegui minha bolsa, creio que o que me destacou foi minha paixão pelo que faço, meu encanto por evoluir e minha necessidade de estar fora da minha zona de conforto”, conta.

 

Leia também:
Evento de pitches leva projetos inovadores para a Alemanha
Intercâmbio na Alemanha, uma experiência multicultural
Bolsas de estudos para pós-graduação na Alemanha

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo