Um Projeto: Fundação Estudar
Escola Politécnica

Conheça a “X” – a Escola Politécnica fundada durante a Revolução Francesa

Por Lecticia Maggi

por Nathalia Bustamante

“X” – um apelido enigmático para uma das escolas mais antigas e tradicionais da França. O símbolo tem duas explicações: a primeira, o seu brasão de armas, composto por dois canhões cruzados, formando a letra “X”; a segunda, uma referência à mais famosa das variáveis, fazendo alusão à proeminência do ensino de matemática na formação dos seus alunos.

Presente, com este apelido, no imaginário histórico francês, a Escola Politénica da França foi fundada em 1794 – em plena Revolução Francesa – e tornou-se uma academia militar durante o governo de Napoleão, em 1804. Desde então, formou 3 Prêmios Nobel, 1 Medalha Fields, três presidentes da França, e teve entre seus professores alguns dos nomes mais brilhantes das ciências exatas – como André-Marie Ampére, Pierre Simon Laplace e Jean-Baptiste Fourier.

Seu programa de graduação forma “Engenheiros Politécnicos” – um currículo multidisciplinar que aborda matemática, biologia, ciências da computação, física, química e economia.

Estes números ficam ainda mais impressionantes quando se descobre que a Instituição é uma das menores do mundo: são apenas 2429 estudantes – sendo que a proporção entre estudantes e staff é de 4.8. É considerada a 13ª melhor universidade Europeia e a 10ª melhor universidade do mundo na visão dos empregadores, de acordo com o ranking QS.

A instituição combina pesquisa, ensino e inovação nas áreas de ciência e tecnologia. Seu programa de graduação forma “Engenheiros Politécnicos” – um currículo multidisciplinar que aborda matemática, biologia, ciências da computação, física, química e economia. Também é oferecido aos estudantes de graduação treinamento militar – opcional – e mais de 15 modalidades desportivas. O currículo também inclui um estágio de 6 meses nas forças armadas ou em organizações civis.

A instituição também oferece programas de mestrado e doutorado em 11 campos – entre eles economia, administração, tecnologia e desenvolvimento sustentável.  Mais informações sobre os programas podem ser encontradas no site da instituição.

Uma boa oportunidade para brasileiros na Polytechnique é o Bachelor, uma formação interdisciplinar focado no público internacional. No Bachelor, o aluno pode escolher uma especialidade em matemática combinada a uma outra área (física, economia ou informática) e também tem acesso a cursos em ciências humanas, línguas e esporte. Estudantes brasileiros que estejam terminando o Ensino Médio podem se candidatar – o processo de seleção inclui envio de carta de motivação, carta de recomendação, histórico escolar e currículo, e os selecionados nesta primeira fase serão convidados a uma prova oral de matemática e entrevista.

Escola Politécnica
Estudantes da Politécnica em uniforme tradicional

Embora desde 1970 não seja mais uma academia militar, a X possui militares em sua diretoria e em posições administrativas. A cada ano, porém, cai o percentual de estudantes que optam por seguir carreira militar. Algo do status, porém, é mantido em ocasiões especiais: durante a parada militar no dia da Queda da Bastilha, na Avenida Champs-Elysés, os estudantes da Politécnica usam o uniforme tradicional do século 19 – com o icônico chapéu bicórneo de Napoleão.

Admissão e Bolsas de Estudos

Em 2016, foram oferecidas 525 vagas para os cursos de graduação. Destas, 75 foram ofertadas a estudantes internacionais já vinculados a universidades estrangeiras – direcionadas, portanto, à obtenção do duplo diploma ou realização de intercâmbio acadêmico. Outras 45 vagas são voltadas a estudantes estrangeiros que tenham concluído o programa preparatório para universidades francesas.

A “X” possui acordos de colaboração com 210 instituições no mundo todo. No Brasil, a parceria de duplo diploma foi estabelecida com o ITA, a Unicamp, a UFRJ e a USP. As universidades parceiras são responsáveis por realizar um processo de pré-seleção interno, e os candidatos pré-selecionados devem prestar um exame de admissão para serem aceitos pela universidade. Alunos de outras universidades também podem se candidatar de forma independente – embora, por esta via, o estudante aceito deva concluir seus estudos na Escola Politécnica e não consiga retornar para obter o seu diploma na instituição de origem.

Como o processo varia de instituição para instituição, a rede de alunos latino-americanos BinetLatino preparou um site totalmente em português voltado a alunos brasileiros que desejem estudar na Instituição. Nele, é possível encontrar informações e dicas sobre os processos seletivos, bem como ter uma visão de dentro de como é a vida na “X”.

Estudantes que tenham sido admitidos através dos programas de duplo diploma ou através de programas de intercâmbio acadêmico com universidades parceiras são isentos do pagamento de taxas – a “X” possui parceria com o ITA, a Unicamp, a UFRJ e a USP. Outros estudantes internacionais podem solicitar isenção ou desconto de taxas de anuidade (que giram em torno de 8 mil euros) através do preenchimento de um formulário de avaliação socioeconômica.

Além disso, também são oferecidas bolsas de mérito – como a Excellence Scholarship Eiffel, ligada ao governo francês, que concede ao estudante do programa de graduação em engenharia uma bolsa de 1200 euros mensais; ou a FX Scholarship, que oferece bolsas e financiamento estudantil a serem reembolsados após a graduação. Dos 42 alunos brasileiros que passaram pela instituição entre 2012 e 2014, 53% foram financiados pela Bolsa Eiffel, e os 47% restantes foram financiados pela Fondation de l’X ou por bolsas do governo brasileiro.

O processo é diferente para os programas de pós-graduação: para ser admitido aos programas de mestrado da instituição, é pré-requisito possuir graduação em áreas relacionadas; para o programa de doutorado e pesquisa, é necessário possuir um mestrado e apresentar um projeto de pesquisa. Todos os alunos de PhD recebem apoio financeiro para realizarem suas pesquisas.

Desde sua fundação, a Escola Politécnica serviu de modelo para a fundação de diversos estabelecimentos de ensino superior, civis e militares – entre eles, o Boston Tech (futuro MIT)

A Instituição

Localizada a apenas 30 quilômetros ao sul de Paris, a Escola Politécnica possui um campus de 400 acres, onde são promovidas diversas atividades desportivas e culturais. Todos os alunos, internacionais e franceses, são alojados no campus e possuem quartos individuais de 18 metros quadrados.

Mulheres só passaram a ser admitidas na escola a partir de 1970 – e isto se reflete no baixo percentual de estudantes do sexo feminino: são menos de 20% do total.

A X é um dos membros-fundadores da Paris Tech – grupo que reúne as principais escolas de engenharia na região de Paris. Desde sua fundação, a Escola Politécnica serviu de modelo para a fundação de diversos estabelecimentos de ensino superior, civis e militares – entre eles, o Boston Tech (futuro MIT), os institutos politécnicos ingleses e e as Escolas Técnicas Alemãs.

Ex-alunos ilustres

– Sadi Carnot, ex-presidente da França
– Albert Lebrun, ex-presidente da França
– Valéry Giscard d’Estaing, ex-presidente da França
– Didier Lombard, CEO da France Télécom
– Tidjane Thiam, CEO do Crédit Suisse
– Carlos Ghosn, CEO da Nissan/Renault
– Louis Pouzin, criador de uma das primeiras redes de comunicação por computadores
– Louis Joseph Gay-Lussac, físico
– Henri Poincaré, matemático
– Henri Becquerel, físico
– Auguste Comte, fundador do positivismo
– André Citroën, fundador da Citroën
– Conrad Schlumberger, fundador da Schlumberger

 

Leia também:
As vantagens e aprendizados de cursar engenharia no Brasil e na França
Saiba como estudar engenharia na França
Estudante explica como obter um duplo diploma em engenharia

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo