Estudei para o IELTS em sete dias – e sem pagar nada. Saiba como!

eu estudando para o IELTS em sete dias

No ano passado, a jornalista do Estudar Fora Priscila Bellini compartilhou aqui no portal a sua experiência estudando para o TOEFL em apenas uma semana. E eu fiquei encucada com o desafio: seria possível fazer o mesmo e me preparar para o IELTS em sete dias?

Ouça este texto:

A resposta honesta é que foi difícil, sim. Mas não foi impossível. Quer saber o passo a passo da preparação? Ao final, eu conto o resultado.

Antes, para contextualizar: o IELTS é um dos principais exames usados para comprovar a proficiência em língua inglesa – muito utilizado em contextos profissionais e também na para se candidatar a algum curso no exterior.

Passo 1: Calibragem

Comecei minha preparação no sábado anterior à minha prova – sendo que o exame oral já estava agendado para sexta-feira.

Importante pontuar aqui que eu não comecei do zero: já conhecia um pouco da estrutura do IELTS e já tinha lido o e-book do Estudar Fora sobre o exame. Então, minha primeira decisão foi entender quais eram minhas maiores dificuldades e em que seção/tipo de questão eu deveria focar meus esforços.

Acessei, então, um dos simulados gratuitos no site do IELTS e tentei resolvê-lo na sequência que seria seguida no dia da prova, com tempo marcado. Já neste simulado, detectei minha maior dificuldade: tinha errado quase todas as questões de spelling (o famoso “ditado”).

Para tirar a dúvida, fiz ainda outro simulado e identifiquei todos os modelos de questão que tinha mais dúvidas. Isso me preparou para a definição da minha estratégia de estudos, que elaborei no dia seguinte.

Passo 2: Definição de Estratégia

No dia seguinte, acordei e já comecei a planejar minha semana de estudos. Aí, acredito que o candidato tem dois caminhos:

Opção 1: Quem está almejando uma nota intermediária, entre 5 e 6

Neste caso, com apenas uma semana de preparação, eu não olharia muito para as questões em que tenho mais dificuldade. Focaria todos os meus esforços em garantir aquelas questões em que já tenho mais facilidade/conhecimento para que, no resultado final, elas se compensem.

Lembrando, porém, que muitas universidades exigem que nenhuma das habilidades (Speaking, Listening, Reading e Writing) tenha uma nota muito baixa ou zerada. Mas mesmo dentro das diferentes habilidades há modelos de questões diferentes e, pode-se dizer, mais ou menos complexos. Então eu focaria em treinar todas as habilidades, mas com ênfase nas questões em que já sinto maior facilidade.

Opção 2: Quem está almejando uma nota alta, entre 7 e 9

Aí não tem muita escolha: você tem que se destacar nos detalhes. Então, eu optei por focar justamente nas questões em que tinha mais dificuldade para melhorar meu desempenho e não ficar abaixo de 7 em nenhuma seção.

Como já tinha visto que minha maior dificuldade eram as questões de spelling, separei pelo menos uma hora por dia na minha agenda da semana para treinar só aquilo. Mais duas horas eram para treinar o Speaking, pois sabia que o nervosismo me pegaria quando estivesse frente a frente com o examinador (sim, diferente do TOEFL, o exame oral no IELTS é cara a cara com um avaliador). E no restante do tempo, cerca de duas horas, eu estudaria uma seção por dia e finalizaria com um simulado do exame completo.

Para não me perder, anotei todas estas divisões do tempo no meu calendário do Google (que também é sincronizado com o celular, então eu receberia alarmes de quando começar cada seção de estudos).

Passo 3: Mão na Massa

Comecei pelo Writing – fiz quatro redações logo pela manhã – duas mais curtas e duas mais longas, como seriam pedidas no exame. Já que seria muito exaustivo escrever quatro redações seguidas, intercalei as redações com treinos de Speaking, que eram mais leves. À tarde, encontrei vários vídeos no YouTube que me ajudariam com as questões de spelling. Por fim, marquei meu cronômetro e fiz mais um simulado completo – incluindo mais duas redações – no tempo exato que seria exigido na prova.

Os dias que se seguiram foram neste ritmo – intercalando exercícios de diferentes seções e, mesmo nas horas de descanso, assistindo a uma série ou ouvindo um podcast em inglês. Para quem está muito acostumado ao inglês americano, sugiro experimentar Downtown Abbey (é ótimo para incrementar o vocabulário); Sherlock (tudo bem voltar para tentar entender tudo o que Cumberbatch falou) e Doctor Who, um clássico britânico.

Passo 4: No dia da prova, entre no clima

Na sexta-feira, dia do Speaking, estava super nervosa, então fui conversando sozinha quase todo o caminho – respondendo a perguntas sobre temas que eu sabia que poderiam surgir.

Não era hora de ter vergonha: fui falando, em voz alta, pronunciando bem as palavras, mesmo estando no meio da rua e no metrô. Falei sobre meus interesses, minha família, minha comida preferida… No vídeo abaixo, nós falamos um pouco sobre os temas comuns do Speaking do IELTS e, acredite, eu passei por cada um deles pelo menos uma vez.

Depois do Speaking, que foi na sexta à tarde, confesso que tirei um pouco do peso das costas e decidi não estudar mais. Ao invés disso, fui assistir a um filme (também em inglês) e ler alguns posts no Quora (para quem não conhece, é uma rede social de perguntas e respostas – viciante!), também em inglês.

No dia do teste escrito já estava bem mais tranquila. Muitas pessoas falam que é importante ler ou ouvir algo em inglês antes de entrar na sala, mas, para mim, foi importante relaxar um pouco conversando com as pessoas que, como eu, estavam na sala de espera e abstrair da tensão sabendo dos planos que elas tinham ao fazer o exame. Esta descontração me ajudou a entrar descansada na prova, o que foi bem importante para que eu durasse todo o exame.

Veja no que deu estudar para o IELTS em sete dias…

No fim, deu certo. Fiquei com um score final de 8 (de 9), e minha nota mais baixa foi 7, no Writing. E, adivinhe só, sabe o ditado? Foi minha melhor questão do Listening 😉

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: