Um projeto: Fundação Estudar

Graduação

O que você precisa saber para cursar uma graduação fora do Brasil

21.11.13

Como traduzir documentos para o application

traduzir documentos para o application

Saiba o que você mesmo pode traduzir e quem pode te ajudar nesta etapa

A tradução dos documentos para o application de graduação e pós-graduação, nos Estados Unidos e Canadá, é mais simples do que parece. Mas em meio a pilha de papeis para todo o processo, quem deve traduzir tudo isso?

Ao contrário do Brasil, esqueça a tradução juramentada. “Isso não existe nos Estados Unidos”, diz a americana Nicole Frutuoso, do Dux Institute, que prepara alunos para o processo de admissão em universidades americanas e canadenses. Na maioria dos casos, as instituições pedem apenas uma boa tradução.

No entanto, há países como Espanha e Itália que pedem a versão juramentada. Para saber os requisitos é necessário entrar em contato com o departamento de admissões de cada universidade.

Preste atenção: as universidades também usam as redações para avaliar o inglês do candidato, que deve estar de acordo com toda a documentação. Se o aluno não tirou notas altas no SAT Writing ou TOEFL, por exemplo, e seu personal stament está impecável, isso pode chamar a atenção dos avaliadores e gerar dúvidas sobre a autenticidade da redação.

Onde traduzir?
Muitas faculdades pedem que as traduções sejam oficiais. Neste caso, significa que elas sejam feitas por um profissional habilitado a prestar este serviço e não necessariamente juramentado. Existe também a tradução certificada, feita por alguém que passou em alguma prova ou fez algum curso para se qualificar como tradutor profissional.

Se você quer caprichar e ter a certeza de que tudo será bem traduzido, o Estudar Fora listou os locais onde você pode encontrar esses serviços:

Na página do Sindicato dos Tradutores (SINTRA), você encontra uma lista de tradutores filiados. Neste caso, o preço é de R$ 0,40 por palavra.

Outra opção é a American Translators Association (ATA), que autoriza 53 instituições no Brasil a fazer as traduções.

Especializado nas universidades americanas, o Education USA cobra por tipo de documento, não por palavras. Ou seja, se o seu histórico escolar tiver 1.000 ou 4.000 palavras, o preço será o mesmo. Neste exemplo, o valor sai R$ 150 para o Ensino Médio. No caso da graduação o valor sobe para R$ 170. O prazo normal é de 10 dias úteis.

Em casos de urgência, para cinco dias úteis, é cobrada a taxa de urgência e 40% do valor total. Em caso de cópias há o preço fixo de R$ 20 para quaisquer documentos.

Quem quiser algo mais específico para o Canadá, pode procurar o Canadian University Application Centre (Cuac) para tirar as dúvidas

Não esqueça que uma cópia do original (em português) sempre deve acompanhar as traduções.

Quando pedir ajuda profissional na tradução

Imposto de renda Geralmente as faculdades americanas pedem a primeira página do IR dos pais ou responsáveis legais do candidato para o processo de assistência financeira.

Existem vários modelos pré-traduzidos na internet, incluindo no grupo do Facebook do Brazilian Student Council on Undergraduate Education (BSCUE), que o aluno pode fazer o download.

Histórico escolar do ensino médio O histórico escolar e boletins do colégio podem ser traduzidos pelo próprio aluno. Neste caso, o aluno deve pedir para alguém da reitoria do seu colégio assinar a tradução e mandar junto com o original em português. Os alunos podem pedir o modelo usado em anos anteriores.

“Não adianta traduzir um histórico escolar impresso da internet”, diz Marta Bidoli Fernandos, do Education USA, sobre uma das principais confusões de quem inicia o processo de ingresso numa universidade americana.

Segundo ela, outro problema é que os alunos preferem esperar o final do Ensino Médio para pedir o histórico escolar para traduzi-lo. Em muitos casos o prazo é curto demais. “Não há o menor problema em pedir a tradução com antecedência do histórico parcial e, caso seja necessário, o histórico final”, recomenda Marta.

Histórico escolar (pós-graduação e mestrado) Muitos programas de pós-graduação exigem que os candidatos enviem seu histórico a empresas como a World Education Services (WES), que certifica o documento e ajuda a universidade a entender as diferenças entre os critérios americanos e canadenses e os do país de origem do candidato.

“Às vezes o aluno só precisa fornecer os documentos e a empresa faz a tradução”, diz Nicole. Em outros casos, a empresa indica o tipo de tradução, como a do Education USA. Para saber o processo é preciso perguntar ao departamento de pós-graduação de sua universidade de interesse.

Cartas de recomendação Traduções de recomendações não devem ser feitas pelo candidato. “As universidades normalmente pedem que o aluno concorde em nem ler as cartas para garantir que a pessoa se sinta à vontade para escrever honestamente sobre o candidato”, diz Nicole.

Há casos em que a pessoa não se sente completamente segura para escrever em inglês. Nestes casos vale a pena pedir para que um profissional traduza a carta, mas nunca o próprio candidato.

Personal statements Nunca devem ser traduzidos por terceiros. Se o candidato quer escrever primeiro em português e depois traduzir sua própria redação para o inglês, não há problemas. O estilo e a escolha de palavras são importantíssimas no processo todo.

Conecte-se ao Estudar Fora

http://promo.estudarfora.org.br/07de78d376d72cb1d7d3

Leia Mais

impacto social
estudar na Asia
tudo sobre o GMAT
estudar idiomas