Inicio 4 dicas para traduzir documentos para o application

4 dicas para traduzir documentos para o application

0
4 dicas para traduzir documentos para o application

Traduzir documentos para o application de graduação e pós-graduação para universidades dos Estados Unidos e Canadá é mais simples do que parece. Mas, em meio a pilhas de papeis para todo o processo, quem deve traduzir tudo isso?

 

Universidades dos EUA não exigem tradução juramentada

Ao contrário do Brasil, “isso não existe nos Estados Unidos”, diz a americana Nicole Frutuoso, do Dux Institute, que prepara alunos para o processo de admissão em universidades norte-americanas e canadenses. Na maioria dos casos, as instituições pedem apenas uma boa tradução.

No entanto, há países, como Espanha e Itália, que pedem a versão juramentada. Para saber os requisitos é necessário entrar em contato com o departamento de admissões de cada universidade.

Leia também: De Harvard à Oxford: confira os melhores cursos online gratuitos

Redações podem compensar desempenho no SAT Writing ou TOEFL

As universidades também usam as redações para avaliar o inglês do candidato, que deve estar de acordo com toda a documentação. Se o aluno não tirou notas altas no SAT Writing ou TOEFL, por exemplo, e seu personal statement está impecável, isso pode chamar a atenção dos avaliadores e gerar dúvidas sobre a autenticidade da redação.

Escolha um bom lugar para traduzir

Muitas faculdades pedem que as traduções sejam oficiais. Neste caso, significa que elas sejam feitas por um profissional habilitado a prestar este serviço e não necessariamente juramentado. Existe também a tradução certificada, feita por alguém que passou em alguma prova ou fez algum curso para se qualificar como tradutor profissional.

Se você quer caprichar e ter a certeza de que tudo será bem traduzido, o Estudar Fora listou os locais onde você pode encontrar esses serviços:

Na página do Sindicato dos Tradutores (SINTRA), você encontra uma lista de tradutores filiados. Neste caso, o preço é de R$ 0,45 por palavra.

Leia também: Veja 8 livros que vão ajudar na sua application, dos essays à proficiência

Outra opção é a American Translators Association (ATA), que autoriza 53 instituições no Brasil a fazer as traduções.

Especializado nas universidades americanas, o Education USA cobra por tipo de documento, não por palavras. Ou seja, se o seu histórico escolar tiver 1.000 ou 4.000 palavras, o preço será o mesmo. Você pode solicitar o orçamento na página do site. Em casos de urgência, para cinco dias úteis, é cobrada a taxa de urgência e 40% do valor total.

Não esqueça que uma cópia do original (em português) sempre deve acompanhar as traduções.

Saiba quando pedir ajuda a um profissional

Cartas de recomendação Traduções de recomendações não devem ser feitas pelo candidato. “As universidades normalmente pedem que o aluno concorde em nem ler as cartas para garantir que a pessoa se sinta à vontade para escrever honestamente sobre o candidato”, diz Nicole.

Há casos em que a pessoa não se sente completamente segura para escrever em inglês. Nestes casos vale a pena pedir para que um profissional traduza a carta, mas nunca o próprio candidato.

Imposto de renda Geralmente as faculdades americanas pedem a primeira página do IR dos pais ou responsáveis legais do candidato para o processo de assistência financeira.

Existem vários modelos pré-traduzidos na internet, incluindo no grupo do Facebook do Brazilian Student Council on Undergraduate Education (BSCUE), que o aluno pode fazer o download.

Histórico escolar do ensino médio O histórico escolar e boletins do colégio podem ser traduzidos pelo próprio aluno. Neste caso, o estudante deve pedir para alguém da reitoria do seu colégio assinar a tradução e mandar junto com o original em português. Os alunos podem pedir o modelo usado em anos anteriores.

Leia também: Application na China: saiba como funciona a candidatura para uma universidade chinesa

“Não adianta traduzir um histórico escolar impresso da internet”, diz Marta Bidoli Fernandos, do Education USA, sobre uma das principais confusões de quem inicia o processo de ingresso numa universidade americana.

Segundo ela, outro problema é que os alunos preferem esperar o final do Ensino Médio para pedir o histórico escolar para traduzi-lo. Em muitos casos, o prazo é curto demais. “Não há o menor problema em pedir a tradução com antecedência do histórico parcial e, caso seja necessário, o histórico final”, recomenda Marta.

Histórico escolar (pós-graduação e mestrado) Muitos programas de pós-graduação exigem que os candidatos enviem seu histórico a empresas como a World Education Services (WES), que certifica o documento e ajuda a universidade a entender as diferenças entre os critérios americanos e canadenses e os do país de origem do estudante.

“Às vezes, o aluno só precisa fornecer os documentos e a empresa faz a tradução”, diz Nicole. Em outros casos, a empresa indica o tipo de tradução, como no Education USA. Para saber o processo é preciso perguntar ao departamento de pós-graduação de sua universidade de interesse.

Personal Statement – Nunca devem ser traduzidos por terceiros. Se o candidato quer escrever primeiro em português e depois traduzir sua própria redação para o inglês, não há problemas. O estilo e a escolha de palavras são importantíssimas no processo todo.

 

Leia também:
Os 10 erros mais comuns que brasileiros cometem ao falar inglês
8 perguntas e respostas sobre graduação no exterior
Quer estudar na França? Veja o passo a passo para realizar esse sonho!

 

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo:

Leia