Um Projeto: Fundação Estudar
bolsa para mulheres da AAUW

Dia Internacional da Mulher: 10 programas e organizações que oferecem bolsas exclusivas para elas

Por Gustavo Sumares
08.03.2019

As mulheres ainda enfrentam muita desigualdade no mercado de trabalho, mas há diversas iniciativas que buscam superar esses obstáculos oferecendo oportunidades de educação e pesquisa. Confira!


Dia 8 de março é o Dia Internacional da Mulher. A data é uma ótima oportunidade para que celebremos as conquistas das mulheres que lutaram (e continuam lutando) para reduzir a desigualdade social que ainda as separa dos homens. Mas também é o momento de refletir sobre como é possível tratar a desigualdade que ainda existe.

Por exemplo: atualmente, no Brasil, as mulheres ganham apenas 78,75% dos salários de homens de mesmo nível educacional e idade, segundo dados da OCDE. E entre alguns grupos educacionais, essa discrepância é ainda maior. Isso, no entanto, não é apenas um problema brasileiro, mas uma questão mundial.

Uma das maneiras de superar essa desigualdade é buscando educação. E, felizmente, há uma série de iniciativas que visam promover a inclusão de mulheres em áreas competitivas do mercado de trabalho, com o intuito de aumentar sua presença em setores estratégicos da economia.

Por isso, destacamos a seguir dez programas ou organizações que oferecem bolsas exclusivas para mulheres e outras oportunidades para que elas estudem fora. Se você pretende estudar fora, vale a pena ficar de olho nessas referências para aproveitar as oportunidades que elas oferecem! Confira:

American Association of University Women (AAUW)

A American Association of University Women é líder, nos Estados Unidos, na promoção de igualdade e educação para meninas e mulheres. Todos os anos, ela concede cinco bolsas para estudantes de mestrado, doutorado e pós-doutorado. As bolsas são oferecidas para mulheres não-americanas que desejem cursar uma pós-graduação, mestrado ou doutorado em tempo integral em instituições americanas.

Segundo o site oficial da AAUW, a preferência é dada às candidatas que trabalhem em prol da igualdade de gênero, seja em sua carreira profissional, seja em atividades comunitárias. As estudantes devem ter desempenho acadêmico exemplar e perfil de liderança em sua área de atuação, como negócios, academia e indústria.

Faculty for the Future Fellowship

Da Fundação Schlumberger, o programa faculty for the Future Fellowship existe desde 2004, e tem o objetivo de apoiar mulheres de países em desenvolvimento que desejem fazer um PhD ou desenvolver pesquisa na área de ciência, tecnologia, engenharia e matemática. Também são elegíveis mulheres que desejem fazer o pós-doutorado no exterior.

As bolsas exclusivas para mulheres variam de acordo com as necessidades financeiras da estudante. Podem cobrir desde os valores de anuidade, como também custos de vida e passagens aéreas. Ao todo, o apoio financeiro pode somar 50 mil dólares americanos anuais. A renovação do benefício acontece anualmente, mediante comprovação de bom desempenho acadêmico.

Programa Science Ambassador

Lançado pelo Cards Against Humanity, o programa Science Amabassadortem o objetivo de aumentar o número de mulheres atuando nas áreas que se encaixam na sigla STEM (Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática, na versão em inglês). E, para isso, o programa oferece bolsas exclusivas para mulheres nessas áreas.

O auxílio cobre os gastos com anuidade em universidades dos EUA para alunas que já estejam na graduação ou no último ano do Ensino Médio, às vésperas da application. A única exigência para concorrer à bolsa é de que a estudante faça o curso completo voltado a uma área que se encaixe na sigla STEM.

Prêmio Viva Seu Sonho

O Prêmio Viva Seu Sonho, da Soroptimist (ou, no nome em português, a Soroptimista Internacional das Américas) é direcionado a mulheres que sejam mães, chefes de família, tenham baixa renda e estejam cursando ou tenham sido aceitas em cursos de graduação. Aquelas que são contempladas pela premiação recebem de 3 a 10 mil dólares.

Uma das vantagens do prêmio, que existe desde 1972, vem da possibilidade de aplicá-lo a vários tipos de despesa. Se a estudante já possui uma bolsa da universidade para arcar com a tuition, por exemplo, pode usá-lo no pagamento de transporte, livros e mesmo cuidados com os filhos. Desde a criação da iniciativa na década de 70, a Soroptimist já distribuiu 30 milhões de dólares em apoio financeiro para milhares de mulheres.

Margareth MacNamara Education Grants

A Margareth MacNaramara Education Grants é uma organização sem fins lucrativos que dá bolsas a “mulheres excepcionais de países em desenvolvimento com pelo menos 25 anos de idade matriculadas em universidades nos EUA e Canadá”, além de algumas instituições na América Latina e África do Sul.

Entre os benefícios, estão o prêmio com valores de 7 a 15 mil dólares, além da participação na rede das estudantes já contempladas pelas bolsas Margaret McNamara. As bolsas são sustentadas por doações, em especial do Banco Mundial. Outra fonte de verba para os MMEG é a Feira Internacional de Artes e Ofícios, que ocorre em Washington pouco antes das festas de fim de ano.

Forté Fellows Program

A Forté é uma associação sem fins lucrativos cujo objetivo é dar oportunidade a mais mulheres nos programas de MBA (Masters of Business Administration). Atualmente, são mais de 5 mil estudantes contempladas com bolsas, somando mais de 110 milhões de dólares de investimento da Forté.

Além do apoio financeiro para permanecer nas universidades, as selecionadas são indicadas para empregos na área, nas empresas que patrocinam a iniciativa. Com isso, egressas de MBA assumem cargos de liderança em companhias como a Amazon, a ExxonMobil, o Citi e o Deustche Bank.

(ISC)² Women’s Scholarships

O (ISC)² é o principal consórcio internacional de certificação em segurança de sistemas de informação, e oferece bolsas de estudo de graduação e pós-graduação exclusivamente para mulheres no valor de US$ 6.000 com o objetivo de aumentar a presença feminina no mercado de cibersegurança.

Isso porque, Segundo um relatório do (ISC)², as mulheres representam apenas 24% a força de trabalho da área de cibersegurança em todo o mundo. Os valores das bolsas serão repassados diretamente às instituições de ensino para custos de mensalidade, taxas e material didático.

FINCAD Women in Finance

A organização FINCAD promove anualmente o prêmio “Women in Finance”, que visa estimular que mais mulheres busquem oportunidades de estudo de pós-graduação em finanças. A bolsa de estudos é um prêmio de 10 mil dólares e podem se candidatar a elas mulheres de todas as idades e países que estejam atualmente matriculadas ou cursando um programa de pós-graduação em Finanças (como mestrado ou doutorado).

O debate sobre o baixo número de mulheres em programas de Finanças e Negócios, de uma forma geral, é frequente. As instituições mais atentas à questão trabalham para aumentar esse índice, que entre 2014-2015 estava em 36,9%, segundo levantamento feito pela Association to Advance Collegiate Schools of Business (AACSB). Em 2010-2011 o número correspondia a 36,3% – crescimento praticamente nulo. Iniciativas como esse prêmio procuram mudar esse cenário.

Elizabeth Neuffer Fellowship

A Elizabeth Neuffer Fellowship, bolsa voltada para mulheres jornalistas, foi criada em 2004 pela International Women’s Media Foundation (IWMF). A iniciativa homenageia a jornalista Elizabeth Neuffer, correspondente do Boston Globe que morreu durante reportagem no Iraque em 2003. O programa é voltado a mulheres jornalistas que concentram seu trabalho em questões de direitos humanos e justiça social.

Ao longo de 7 meses, as profissionais selecionadas realizarão pesquisas e participarão de cursos no Centro de Estudos Internacionais do Massachusetts Institute of Technology (MIT), além de participarem de estágios no The Boston Globe e The New York Times. A lista de benefícios da bolsa inclui custos de moradia, alimentação, transporte, seguro saúde, passagens aéreas e visto americano.

Kim Wall Memorial Fund

O Kim Wall Memorial Fund, também criado pela IWMF, é um fundo criado para homenagear a jornalista sueca Kim Wall, assassinada em exercício da função em 2017. Ele oferece uma bolsa de US$ 5.000 para jornalistas mulheres com pelo menos três anos de experiência.

O intuito da bolsa é cobrir custos referentes à realização de uma reportagem, em meio não especificado, relacionada aos temas que Wall cobria, que incluem “culturas marginais” e “as subcorrentes da rebelião”. É necessário falar inglês para poder se inscrever.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d