Inicio 6 bibliotecas digitais gratuitas para você enriquecer seu projeto de pós-graduação

6 bibliotecas digitais gratuitas para você enriquecer seu projeto de pós-graduação

0
6 bibliotecas digitais gratuitas para você enriquecer seu projeto de pós-graduação

Ter bons artigos e dados como referência é sempre necessário na hora de se candidatar a um programa de pós-graduação. Na internet, há inúmeras bibliotecas digitais, entretanto, nem todas têm acervo aberto. Partindo da premissa de que conhecimento é bem público e tentando aproximar acadêmicos e estudantes de todo o mundo, iniciativas como a JSTOR e Project Gutenberg mantém acervos com milhares de artigos e dados abertos.

 

Para quem deseja conseguir uma bolsa para um mestrado ou doutorado em uma universidade estrangeira, muitas vezes parte da documentação necessária inclui o envio de projetos de pesquisa ou conhecimentos aprofundados sobre o tema estudado. Para quem está na graduação e deseja seguir estudando após a faculdade, conhecer com profundidade o que está sendo pensado na sua área pode abrir portas em instituições de ensino de todo o mundo. 

Nesse cenário, ter ao alcance esses bancos de artigos acadêmicos pode distinguir seu pedido de vaga ou bolsa entre todos os candidatos. Selecionamos aqui as principais bibliotecas digitais com milhares de artigos, journals, livros e dados científicos com acesso aberto. 

Leia mais: Pós-graduação lato sensu e strictu sensu: qual é a diferença?

Em algumas dessas plataformas, também há a possibilidade para pesquisadores e acadêmicos enviarem os próprios artigos para publicação. A maioria dos materiais disponibilizados estão em inglês. Entretanto, nelas também há textos disponibilizados em diversas línguas, incluindo o português. 

Project Gutenberg

Biblioteca digital mais antiga do mundo, o Project Gutenberg foi criado em 1971 pelo escritor norte-americano Michael S. Hart, formado na University of Illinois e considerado o inventor do e-book. Com objetivo principal de promover o conhecimento literário da forma mais acessível possível, atualmente, a plataforma oferece mais de 62,108 itens de sua coleção em diversos formatos.

O nome do projeto é uma homenagem ao inventor alemão Johannes Gutenberg, que levou a máquina de impressão para a Europa no século XV. Além de livros, o site também disponibiliza arquivos não textuais, como áudios e partituras. 

JSTOR

Criada em 1995 e autointitulada como uma “livraria digital para curiosos intelectuais”, a JSTOR é uma das plataformas mais utilizadas por acadêmicos e pesquisadores. Ela é uma ONG com sede em Nova York que mantém um sistema de arquivamento de conteúdos acadêmicos que une acervos de universidades de todo o mundo.

Nem todo conteúdo da JSTOR é aberto, entretanto, qualquer um pode fazer o cadastro e utilizar a maior parte do acervo. Universitários podem acessar o acervo completo da JSTOR através do e-mail universitário. Há, também, opções de cadastro para pesquisadores independentes ou que, no momento, não estão matriculados em curso nenhum.

Leia mais: Carreira acadêmica: saiba como é trabalhar com pesquisa

Assim como a Gutenberg, o acervo da JSTOR também conta com conteúdos não textuais, como fotografias, matérias visuais e peças artísticas. Pesquisadores e acadêmicos de qualquer lugar podem submeter artigos para publicação na plataforma. 

CORE

A britânica Core é a maior plataforma do mundo com acesso aberto à papers científicos e dados. Atualmente, contém mais de 200 milhões de artigos disponíveis vindos de 10 mil fontes diferentes vindas de 147 países.

A plataforma é uma agregadora de artigos científicos que também trabalha com bases de dados. A Core oferece serviços para pesquisadores, universidades e indústrias através dos serviços de API (Application Programming Interface), dataset e repositórios online.  

ScienceOpen

Assim como a JSTOR, a ScienceOpen é uma plataforma voltada para conectar acadêmicos e estudantes de todo o mundo. Com sedes em Berlim e Boston, ela é uma start-up criada em 2013 pelo físico e professor da Leipzig University Alexandre Grossman, e o cientista e desenvolvedor Tibor Tscheke.

O objetivo da plataforma é tornar a o conhecimento acadêmico mais acessível e próximo da população. A ScienceOpen mantém uma curadoria fixa do conteúdo oferecido e qualquer pesquisador pode submeter artigos para tentar publicar. São, ao todo, 70 milhões de publicações e 25 mil journals disponíveis.

DOAJ

Criada na Suécia e com sede no Reino Unido, a DOAJ (Directory of Open Access Journals) é uma biblioteca online de acesso aberto lançada em 2003 na Lund University. Posteriormente, foi adquirida e mantida pela Open Society Institute, rede internacional do filantropo George Soros. 

A curadoria da plataforma é comunitária, assim como a Wikipedia, e todos os metadados disponibilizados são licenciados pelo Creative Commons. Na DOAJ estão hospedados mais de 16 mil journals e 5 milhões de artigos escritos em 80 línguas.

Capes

Para quem procura um acervo nacional com textos escritos em Português e sobre o Brasil, a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), do Ministério da Educação, tem parte de seu acervo de pesquisas disponíveis online. As publicações vêm de universidades e pesquisadores de todo o país. 

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo:

Leia