Intercâmbio profissional pela AIESEC: como foi trabalhar com marketing na Índia

Cibelle Nascimento na Índia

Quando tomei a decisão de fazer um intercâmbio, as dúvidas eram muitas. Para onde ir? Por quanto tempo ficar? O que fazer lá? Quanto será que custa? Como fazer com que essa experiência seja proveitosa tanto no aspecto pessoal quanto no profissional? Vai valer a pena? Acabei optando por realizar um intercâmbio pela AIESEC e foi uma experiência que mudou minha vida.

Eu conheci a AIESEC através de alguns amigos da Empresa Júnior de Marketing da USP, na qual trabalhei durante a graduação. Entre tantas as opções de intercâmbio que me foram oferecidas por diversas agências, encontrei na AIESEC a que melhor se encaixava nos meus planos – poderia trabalhar em Marketing, minha área de formação, teria contato com outros intercambistas, teria apoio na preparação cultural, receberia pelo meu trabalho (o que ajudaria muito nos custos), e as taxas adicionais cabiam no orçamento disponível. Assim, acabei optando pelo intercâmbio profissional da AIESEC, chamado Talentos Globais.

A escolha de destinos

Eu tentei vagas em diversos destinos distintos. Inicialmente, destinos mais “convencionais”, como Alemanha, Inglaterra, Espanha… Com o tempo, fui abrindo mais meu leque de opções e começando a me inscrever em vagas em países menos usuais, como o Egito, a Turquia e a Índia. O suporte da AIESEC foi muito importante nesse momento, e tanto o escritório do Brasil quanto os desses países foram extremamente solícitos comigo, me ajudando com dicas, vagas com o meu perfil, contatos com pessoas chave e tudo mais. Acabei dando match com uma vaga em Jaipur, na Índia, em uma empresa chamada The Choice Fashions.

Leia também: AIESEC: oportunidades de intercâmbio e desenvolvimento de liderança no exterior

Chegar na Índia e me confrontar com uma cultura tão diferente foi uma das sensações mais intensas de toda a minha vida. Foi a primeira vez que eu saí do país, e a sensação era a de que eu tinha ido para um outro mundo, com cores, cheiros, sabores e sons totalmente diferentes dos que eu estava habituada. Mas pouco a pouco fui conhecendo as maravilhas daquele país tão único! Hoje, olhando para trás, sei que não haveria lugar melhor para o meu desenvolvimento, autoconhecimento e amadurecimento que a Índia, o país que se tornou meu lar de coração.

Como é trabalhar no exterior

O trabalho foi uma grata surpresa. Os donos da empresa me receberam como se eu fosse da família, e desde o início me senti bastante incluída na equipe. A The Choice Fashions fabrica roupas para diversas marcas no mundo todo, como Zara, Forever 21, entre outras, e meu trabalho era auxiliar na expansão deles pela América Latina (com foco no Brasil). Eu analisava marcas que tivessem uma proposta alinhada aos produtos que oferecíamos, montava um material de abordagem, entrava em contato e conduzia as negociações (e algumas vezes visitas) até a compra efetiva, produção e entrega dos produtos.

Cuidei também do lançamento de uma marca própria para o mercado indiano, trabalhando com branding, montagem do site, busca de eventos e feiras para exposição dos produtos, comunicação e mídias sociais, possíveis lojas multimarca para distribuição, entre outras atividades relacionadas à gestão da marca e de seu portfólio de produtos. Eu aprendi muito, não só temas da minha área e relacionados a Marketing, mas também a como lidar com as diferenças culturais, ultrapassar barreiras de linguagem, respeitar e considerar diferentes pontos de vista e maneiras de trabalhar opostas às minhas.

Os aprendizados da experiência

O intercâmbio pela AIESEC me tornou uma pessoa com a mente muito mais aberta, mais analítica, mais tolerante e mais aberta ao novo e ao desconhecido, tanto no trabalho quanto na vida pessoal.

Leia também: Como um intercâmbio na Ucrânia abriu as portas para este empreendedor brasileiro

No geral, fiz amigos do mundo todo, morei com pessoas de diferentes partes do planeta, frequentei a casa dos meus chefes, vivi com uma família super aberta e acolhedora… Trouxe no coração de volta para o Brasil muitas pessoas fantásticas, as lembranças de lugares incríveis, de horas e horas em trens viajando para cidades novas, as praias indianas, o céu inacreditável do deserto à noite, a neve dos Himalaias, os fortes cheios de história e com vistas de tirar o fôlego, passeios de elefante, encantadores de cobras, voltas de camelo, casamentos que duravam 3 dias, o indescritível Taj Mahal… Enfim, voltar, por incrível que pareça, foi muito, muito mais difícil que ir.

O intercâmbio pela AIESEC foi diferencial em processos seletivos

Brinco até hoje, quase 3 anos depois, que voltei da Índia mas meu coração ficou por lá, em algum cantinho do país que aprendi a ver como meu lar. Foi a melhor experiência da minha vida e os 7 meses mais felizes de que consigo me lembrar. Mas a vida tinha que seguir, pois eu pretendia tentar programas de trainee no Brasil e os processos seletivos começariam na época do meu retorno.

De volta ao Brasil, me inscrevi em diversos programas de trainee diferentes. Nesse momento, a experiência e o autoconhecimento adquiridos, bem como a confiança extra que eu trouxe do intercâmbio me ajudaram muito, tanto a priorizar empresas e vagas que estivessem mais alinhadas às minhas expectativas, quanto a compreender e não desanimar quando não era aceita por algum programa.

Leia também: Experiência profissional no exterior: AIESEC oferece programas de imersão em startups

Durante os processos, percebi que o fato de ter uma experiência internacional, ainda mais sendo em um país tão diferente, chamava bastante a atenção dos recrutadores. Avancei em diversos processos e fui aprovada no de minha preferência, que era o da Mercedes-Benz. Consegui uma das nove vagas disputadas por mais de 13.000 candidatos. O feedback do diretor que me entrevistou na ocasião citou muito minha experiência na Índia, dizendo que isso mostrou a ele que eu não temia o desconhecido e estaria disposta a dar a cara pra bater em grandes desafios. Foi o início de uma fase de muita realização profissional e tenho sido muito feliz na empresa, já há 2 anos e meio.

O impacto na carreira

Trouxe para a minha vida profissional da Mercedes-Benz muita coisa que aprendi no meu intercâmbio pela AIESEC, principalmente no campo comportamental: força, persistência, confiança e principalmente a capacidade de me adaptar a diferentes contextos, culturas e modos de pensar, uma vez que fiz projetos interculturais (com participantes de vários países) e também projetos fora do Brasil.

Sou muito grata e feliz por ter vivido uma experiência tão marcante. Sei que devo muito das minhas conquistas profissionais à AIESEC, tanto da USP quanto de Jaipur, e a todas as pessoas envolvidas nesse meu processo de descoberta e amadurecimento. Os impactos positivos dessa experiência em mim ficarão para sempre, assim como o amor que desenvolvi por um país tão incrível e diverso como a Índia.

 

Sobre Cibelle Nascimento

Cibelle é formada em Marketing pela Universidade de São Paulo. Fez o intercâmbio Talentos Globais pela AIESEC na USP, em Jaipur, na Índia, e hoje trabalha em Marketing na Mercedes-Benz.

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: