Inicio Global Citizen Year Academy: conheça o programa que busca formar novos líderes globais

Global Citizen Year Academy: conheça o programa que busca formar novos líderes globais

0
Global Citizen Year Academy: conheça o programa que busca formar novos líderes globais

Estudar fora é não é só uma maneira de conhecer outro país e frequentar outras escolas, mas também é uma oportunidade para desenvolver habilidades difíceis de se adquirir em outros contextos por meio do contato com outras culturas. E é nisso que a Global Citizen Year Academy aposta: o programa oferece o contato com pessoas do mundo inteiro como uma  ferramenta para “criar os líderes de que o nosso mundo precisa com urgência”.

Ele é um dos programas oferecidos pela organização Global Citizen Year. Na visão que a organização expõe em seu site, o atual sistema de educação não dá conta de produzir essas lideranças por si só. O objetivo, portanto, é “equipar jovens líderes com empatia, proatividade e perspectiva global” para que eles cheguem ao ensino superior com uma visão mais clara do impacto que pretendem causar no mundo.

Como funciona?

Para atingir esse objetivo, a Global Citizen Year recruta jovens de perfis diversos, mas que já demonstrem potencial em áreas como proatividade e capacidade de influenciar seus colegas. Os programas da organização são voltados para estudantes que tenham concluído o ensino médio mas ainda não tenham entrado na faculdade.

 

 

No caso da Academy, são jovens de 17 a 21 anos de idade — por ser virtual, o estudante pode estar tanto em gap year quanto matriculado no ensino médio ou universidade. A Fellowship, por sua vez, é presencial e leva os alunos a passar 7 a 8 meses fora, e por isso é mais voltada para estudantes que estejam em ano sabático.

“Nós intervimos na idade mais formativa, quando os estudantes têm a maturidade para sair de casa, mas ainda não fixaram seus valores e identidade”, diz o site. Essa intervenção se dá por meio dos programas que a organização oferece: o Global Citizen Year Academy e o Global Citizen Year Fellowship.

Nos dois casos, os estudantes passam por uma série de encontros, aulas, sessões de mentoria e interação com outros participantes do mundo inteiro. Na mais recente turma da Global Citizen Year Academy, por exemplo, há 258 estudantes de 80 países diferentes, sendo que 18 deles são do Brasil, vindos da Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Quais são os programas da Global Citizen Year?

Global Citizen Year Academy

A Academy é um programa online de três meses de duração voltado para alunos com idades entre 17 e 21 anos. Ao longo desse período, espera-se dos participantes uma dedicação total de 5 a 10 horas por dia.

O objetivo do programa é desenvolver o potencial de liderança dos alunos. Para isso, eles participam de aulas como “Leadership as a Practice” (Liderança como um Prática) ministradas ela plataforma online da Minerva, e contam com apoio e mentoria individual de profissionais associados à academida.

A ideia é que, ao final dele, os participantes tenham clareza sobre o propósito que querem levar adiante em suas trajetórias pessoais, profissionais e acadêmicas. E durante o processo de seleção das turmas, diversidade é um dos principais fatores, ao lado de motivação, mente aberta e orientação para resultados.

A dedicação semanal exigida pela Academy tem uma grande medida de flexibilidade. As aulas e sessões de mentoria podem ser realizada em horários diferentes. Isso possibilita que os participantes acomodem as taregas junto a outros compromissos que venham a assumir durante o período.

Para atrair jovens de diversos grupos de renda, o programa tem uma taxa de tuition que varia de US$ 500 a US$ 5.000, dependendo da renda familiar do estudante. Tembém há bolsas de estudo, concedidas em função da capacidade de pagamento dos estudantes. São duas turmas por ano, no primeiro e no segundo semestre.

Depoimentos de quem se candidatou na Global Citizen Year Academy:

Natalia do Carmo, 17 anos:

“Decidi participar da Global Citizen Year Academy porque enxerguei nesse programa uma oportunidade perfeita para encontrar meu propósito e potencializar minhas habilidades de liderança. Acredito muito no poder do protagonismo juvenil – e uma comunidade global de jovens com sede de transformação, combinada com a instrução e mentoria de líderes inspiradores, com certeza tem a capacidade de impactar positivamente o mundo. Quero aprender a me conhecer, entender o mundo ao meu redor e encontrar valores que me movam a liderar a mudança durante toda a minha vida. Tudo isso ao lado de pessoas de todos os cantos do planeta, cada uma com suas vivências, sabedorias e perspectivas, formando uma grande família que se apoia, ensina e aprende em conjunto”.

Laina Luna, 18 anos:

“Minha motivação para me inscrever na Academy foi a possibilidade de me conectar com pessoas do mundo inteiro, entendendo as particularidades de suas culturas, pois acredito que quando juntamos tanta diversidade é inevitável traçar, e também realizar, soluções que são de fato inclusivas e práticas. Além disso, é um privilégio para mim poder fazer parte, pois sei que muitas pessoas não têm essa oportunidade por diversas razões, incluindo a desigualdade, e quero encontrar formas de co-criar e levar mais possibilidades para que elas também possam explorar seu potencial gigantesco”.

Leonardo Chin, 18 anos:

“O que me motivou a entrar na Global Citizen Year Academy foi a oportunidade de ter uma experiência global e diversa, assim como conhecer pessoas e culturas de vários países. É também uma chance de aprender mais sobre mim mesmo, sobre liderança, impacto e com certeza uma oportunidade para desafiar-se”.

Global Citizen Year Fellowship

Existe também a Global Citizen Year Fellowship, voltada para estudantes dos Estados Unidos ou dos United World Colleges, que ainda não entraram na faculdade. É um programa com duração de oito meses de “imersão estendida” em outro país.

O programa está atualmente suspenso devido à pandemia da COVID-19. Mas nas edições regulares, os estudantes passam oito meses alocados no Brasil, Índia ou Equador, vivendo em casas de família. Ao longo do período, aprendem o idioma e se envolvem com questões locais.

Ao mesmo tempo, eles participam de seminários de aprendizado junto aos outros membros do grupo para aprender sobre o contexto socio-histórico dos problemas que identificam naquela comunidade. Também contam com apoio de membros da organização para auxiliar com questões do cotidiano.

Por enquanto as datas para recrutamento da próxima turma ainda não estão disponíveis. Os estudantes pagam uma taxa de anuidade de US$ 32.500, com bolsas de estudo disponíveis para candidatos que demonstrarem necessidade financeira.

 

 

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo:

Leia