Um projeto: Fundação Estudar

Graduação

O que você precisa saber para cursar uma graduação fora do Brasil

03.02.16

O MIT na visão de um estudante brasileiro

O MIT na visão de um estudante brasileiro

"No MIT, você só escolhe o curso depois de aprovado. Além disso, determina quais aulas quer fazer. Temos muita liberdade", diz Felipe Hoffmann, aluno de graduação

Por Felipe Hoffmann

Um dos elementos mais interessantes do MIT (e de diversas outras faculdades americanas) é a liberdade do curso. Enquanto no Brasil você escolhe um curso, e a faculdade define todas as aulas que você vai assistir, aqui isso é bem diferente: você não tem que selecionar o que vai cursar antes de começar a faculdade.

Fazemos primeiro um ano de disciplinas básicas, comuns para qualquer curso, antes de definir qual carreira queremos seguir

No MIT, fazemos primeiro um ano de disciplinas básicas, comuns para qualquer curso, antes de definir qual carreira queremos seguir. Isso ajuda muito aqueles que não estão certos do que querem fazer.

Outra grande vantagem é a liberdade dentro dos cursos: enquanto no Brasil a maioria das faculdades já tem predefinidas todas as classes que você vai fazer para ter seu diploma, aqui você pode escolher quais matérias quer cursar. Por exemplo, no caso de Ciência da Computação, caso eu me interesse mais por Inteligência Artificial, eu posso fazer mais aulas relacionadas a isso e menos de outras áreas. Assim, eu consigo um diploma mais rápido que no Brasil (o curso é de 4 anos) pois não gastei tempo com matérias provavelmente desnecessárias para minha atuação profissional. E também saio da faculdade com certa especialização na área que gosto.

Uma terceira grande liberdade é a ordem e a quantidade das matérias. Enquanto no Brasil fazemos tudo em uma ordem pré-estabelecida, aqui podemos escolher quando queremos fazer aquela disciplina. Isso significa que eu posso explorar matérias mais avançadas para saber se eu tenho interesse nelas ou não em vez de esperar estar no terceiro ou quarto ano de faculdade para descobrir que não gosto do que eu achava que gostava. Além disso, o fato de podermos fazer quantas matérias quisermos permite que pessoas que gostem mais das aulas façam mais matérias, enquanto aqueles que se interessam por outras coisas escolham menos classes.

Eu posso explorar matérias mais avançadas para saber se eu tenho interesse nelas ou não

Mas a liberdade não acaba por aí. Enquanto no Brasil o significado de faculdade quase que se limita às aulas, no MIT é muito mais que isso. Aqui existem clubes para quase tudo – desde olimpíadas científicas até triatlo e cubo mágico – o que nos permite encontrar vários amigos com interesses semelhantes aos nossos. Também é bem comum o pessoal fazer pesquisa científica durante a graduação ou mesmo participar de fraternidades e praticar os mais diversos esportes.

Uma quinta liberdade daqui é o fato de as aulas não serem obrigatórias. Exatamente isso: os professores não fazem chamada. Sempre tem algum professor com o qual você não consegue aprender direito nas aula, não é? Enquanto no Brasil normalmente teríamos que ficar mofando em sala, aqui você simplesmente não vai à aula, estuda pelo livro e faz as provas. Mais importante do que isso, sempre que você está em aperto em alguma matéria e tem que faltar em outras aulas para estudar ou tem algum compromisso durante as aulas, você não tem que se preocupar com presença. Isso permite que seu dia-a-dia seja muito mais dinâmico, abrindo muitas possibilidades.

Enfim, o MIT nos dá muita liberdade. A faculdade se adapta muito bem a quem você é, independentemente de quem você seja. Não é você quem tem que se adaptar à faculdade.


14080959

Sobre o autor
Felipe Hoffmann está no primeiro ano de Engenharia Eletrônica no MIT. Durante o ensino médio, no interior do Rio Grande do Sul, participou de diversas olimpíadas científicas, sendo campeão estadual em seis modalidades. Aprovado no IME, ITA e no MIT, fundou um site para ajudar outros jovens a alcançar esses mesmos sonhos: no virandolimpico.com, ele oferece aulas gratuitas de preparação para vestibulares concorridos e para olimpíadas de conhecimento.

*Na foto, campus do MIT

Leia também:
Conheça o aluno que foi da escola pública no interior de São Paulo ao MIT
Leia a redação que ajudou jovem a ser aceito em Harvard e Stanford

“Não olhamos capacidade financeira ao admitir um aluno”, diz reitor do MIT

Conecte-se ao Estudar Fora

http://promo.estudarfora.org.br/07de78d376d72cb1d7d3

Leia Mais

impacto social
estudar na Asia
tudo sobre o GMAT
estudar idiomas