Um Projeto: Fundação Estudar

Curso de verão em Edimburgo: confira dicas do vencedor de 2016

Por Nathalia Bustamante
16.01.2017

As inscrições para 2017 estão abertas e, neste post exclusivo, brasileiro que conquistou a bolsa em 2016 fala sobre o curso e dá dicas sobre a candidatura.


Em 2016, o Estudar Fora divulgou uma oportunidade de bolsa de estudos para um curso de verão na Universidade de Edimburgo, na Escócia. Era uma competição mundial para apenas uma bolsa – e o brasileiro Giovani Pozzo foi o contemplado. Em junho, ele embarcou para esta experiência no país mais ao norte do Reino Unido.

A Universidade de Edimburgo está mais uma vez promovendo a competição – e, desta vez, serão oferecidas quatro bolsas no total. Para aumentar ainda mais as chances dos brasileiros, Giovani escreveu este post exclusivo para o Estudar Fora. Confira abaixo o que ele conta sobre o curso, a cidade e as dicas que dá sobre a competição.

Boa sorte!

 

Por Giovani Pozzo

A cidade de Edimburgo é fantástica, e, apesar de pequena e tipicamente tranquila, o período de verão é excepcionalmente agitado em virtude dos festivais que ocorrem na cidade, com milhares de turistas visitantes desembarcando por lá todos os dias: é história, arte e cultura em todas as esquinas!

O principal objetivo de uma Summer School é atrair alunos locais e estrangeiros para dentro da universidade durante o período de férias, aliando conhecimento e diversão: ou seja, é um programa de férias próprio da universidade, com diferentes cursos e atrações. Estes programas são excelentes e costumam ser muito atrativos para estrangeiros, pois são de curta duração e permitem uma experiência acadêmica em instituições renomadíssimas, como é o caso da University of Edinburgh.

Nesta edição de 2017, a Universidade de Edimburgo está ofertando quatro bolsas de Summer School através do Sqore (uma plataforma para competições online, utilizada por diversas instituições e empresas para competições de cursos ou vagas de emprego). Em 2016 foi apenas uma – e foi uma grande felicidade ser o único ganhador da competição sendo brasileiro e leitor do Estudar Fora, que foi o canal por onde tomei conhecimento da oportunidade.

Uma vez que fui notificado do resultado e submeti todos documentos e comprovações, a bolsa estava garantida: bastava escolher o curso e arrumar as malas. Das opções de cursos pelas quais eu poderia optar – que iam de filosofia e cinema à arquitetura e língua suaíli – o mais convergente com os meus interesses e objetivos era o de Business Communication and Social Media. Em um ambiente extremamente multicultural, no qual praticamente não se repetiam nacionalidades de aluno para aluno – tamanha a diversidade de países presentes na sala – tratamos diariamente de assuntos referentes a marketing digital, tecnologias persuasivas e como as empresas podem identificar seu público-alvo e desenvolver sua própria estratégia de comunicação nas mídias sociais para garantir a aquisição e retenção de potenciais consumidores. As aulas eram expositivas, porém bastantes dinâmicas, ministradas por uma especialista eslovaca que atua na Espanha e viajara para Edimburgo exclusivamente para o curso.

As aulas eram expositivas, porém bastantes dinâmicas, ministradas por uma especialista eslovaca que atua na Espanha e viajara para Edimburgo exclusivamente para o curso.

As aulas ocorriam no período da manhã e início da tarde. Após isso, tínhamos a oportunidade de participar das atividades que compunham o social programme do Summer School – sem qualquer custo adicional. As atividades que participei iam de visitas aos principais pontos de Edimburgo, como o Castelo de Edimburgo e a colina do Arthur’s Seat, a um café inglês em um tradicional hotel da cidade e uma noite de pubs da cidade para aprender e praticar ceilidh, a dança escocesa.

Mesmo com as atividades extracurriculares (que eram opcionais, mas tão interessantes que praticamente todos compareciam), ainda tínhamos tempo livre para aproveitar a cidade do jeito que quiséssemos, sozinhos ou com os colegas. Foi este tempo livre que utilizei para visitar a ovelha Dolly no Museu Nacional da Escócia, tomar café na cafeteria onde a J.K Rowling escreveu o primeiro livro da série de Harry Potter (conhecido como “o local de nascimento de Harry Potter”, uma parada obrigatória para qualquer fã como eu), ir a uma degustação de Whisky escocês, ver as incontáveis apresentações de rua, peças e shows que acontecem durante os festivais ou simplesmente caminhar pelas ruas que maravilham qualquer brasileiro de “primeira viagem” com tantas construções e igrejas que lá estão de pé há muito antes de nosso país ter sido descoberto.

Além de Edimburgo, a Escócia oferece diversos destinos com uma paisagem mais deslumbrante que a outra. As opções para os finais de semana ou extensão da viagem de férias são intermináveis. Particularmente, optei por aproveitar os dias que restaram das minhas férias de inverno curtindo uma semana extra a poucas horas de trem de Edimburgo, em Londres… mas essa já é outra (longa) história!

 

A competição

A inscrição para competir através da plataforma Sqore é relativamente simples. No próprio site do Sqore, é preciso comprovar proficiência em inglês através do English Quiz – para garantir que o aluno tem condições de acompanhar as aulas integralmente em inglês – e completar um teste sobre a Summer School, que contempla questões sobre a universidade, a cidade de Edimburgo e a cultura da Escócia de maneira geral.

O teste é curto e não é complexo, mas as questões são bastante específicas e requerem uma leitura minuciosa do website e materiais da universidade antes de serem respondidas – além disso, o teste é cronometrado e pode ser feito uma única vez. A etapa mais importante é a escrita do statement, um pequeno texto motivador que o estudante deve enviar para a universidade relatando o motivo pelo qual entende que deve ser o ganhador. O envio do statement é a única etapa do site que não possui tempo cronometrado – o meu, particularmente, foi enviado às 23h55 do dia do deadline!

Nele, basicamente, expressei o que realmente me fazia querer ganhar aquele curso: acreditar que uma experiência acadêmica, mesmo que de curta duração, em uma das universidades mais renomadas da Europa (7ª posição no ranking da Times Higher Education, 2017) iria permitir que eu me desenvolvesse como estudante e como profissional e, com a bagagem cultural adquirida nesta primeira viagem internacional, também como pessoa. É importante que este seja bem elaborado e, principalmente, demonstre qual o real impacto que esta bolsa irá gerar na sua vida e na de outras pessoas.

 

Giovani Pozzo, que venceu em 2016 a competição por uma bolsa para curso de verão em EdimburgoSobre Giovani Pozzo:

Graduando no sexto semestre do curso de Sistemas de Informação na Universidade Feevale (RS), é Desenvolvedor de Sistemas e cursou como bolsista o curso de extensão em Business Communication and Social Media na Universidade de Edimburgo, na Escócia. Apaixonado pelas áreas de comunicação, tecnologia e negócios, é um entusiasta do uso de inovações tecnológicas como meio para negócios e pessoas prosperarem.

 

Leia também:
Goiana consegue bolsa para mestrado por meio do Estudar Fora
Bolsista dá dicas sobre a candidatura para as bolsas Chevening, do Reino Unido
Brasileira ganha bolsa de estudos na Escócia após trabalho voluntário na Palestina

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d