Um projeto: Fundação Estudar

Pós Graduação

O que você precisa saber para cursar uma pós-graduação fora do Brasil

25.09.14

MBA em Kellogg: depois do estágio no Brasil, viagem aos Emirados Árabes

MBA em Kellogg: depois do estágio no Brasil, viagem aos Emirados Árabes

Andréa Beer, colunista do Estudar Fora, conta sua viagem de integração com os novos alunos de MBA. "Foi um mês de 'work hard, party harder'". Inspire-se!

Agosto foi definitivamente um dos melhores meses do ano, por motivos bastante diferentes. Por um lado, trabalhei muito na reta final do meu estágio de verão e o resultado foi gratificante. Por outro, viajei na última semana do mês com 20 novos alunos de Kellogg para Dubai, nos Emirados Árabes, e Oman. Ou seja, foi um mês de “work hard, party harder”.

Todo ano, os estudantes do 2º ano organizam viagens com 20 novos alunos de turma seguinte. No ano passado, fui para Budapeste, na Hungria. Neste ano, para os Emirados Árabes

Meu estágio na BRF, empresa dona das marcas Sadia, Perdigão, Qualy e Batavo, terminou em 22 de agosto. A apresentação final contou com a participação do CEO global e outros diretores da companhia. Além de ter a oportunidade de defender nossas recomendações à alta liderança, ouvimos os resultados dos demais projetos e fizemos uma sessão de feedback, tanto da companhia para nós, como vice-versa.

Meu projeto foi em marketing e o objetivo principal era definir quais causas sociais e ambientais cada marca da companhia irá abraçar. A ideia por trás do projeto é que as marcas hoje devem ter um sexto P, que vá além de preço, packaging (embalagem), produto, placement (distribuição) e promoção. É o P de Planeta.

Como parte do processo, organizamos um workshop com todas as áreas da empresa que serão impactadas ou envolvidas. Infelizmente, não pude participar deste momento final, porque ele ocorreu justamente nas datas em que já havia programado a minha viagem para o Oriente Médio. Contudo, acompanhei de longe os resultados e tudo indica que foi um sucesso.

projeto tartarugaFalando em boas surpresas, a viagem para Oman, país localizado no extremo sudeste da Península Arábica, foi incrível. Nunca havia pensado em visitar o país, mas uma de minhas colegas em Kellogg foi criada lá e nos convenceu a liderar o Kwest Middle East. Para quem não se lembra, Kwest é a viagem de integração de Kellogg para os novos alunos. Todo ano, os estudantes do 2º ano organizam viagens de 5 ou 7 dias com 20 novos alunos de turma seguinte. No ano passado, fui para Budapeste, na Hungria, e descrevi a experiência aqui. Neste ano, decidi por algo diferente, que combinasse cultura, aventura e vida noturna.

Começamos a viagem por Dubai, nos Emirados Árabes. A cidade é a capital comercial do país e é um misto de Las Vegas com Miami, porém, com regras e customes de um país islâmico. Você não encontra bebidas alcóolicas facilmente, há mesquitas por toda a parte e a maioria das mulheres está de burca ou hijabs (véus). Porém, há muitos expatriados e a cidade oferece todo tipo de diversão – de estação de ski a praias magníficas. Ficamos dois dias por lá e um dos melhores momentos foi o safári no deserto (foto em destaque).

Em seguida, seguimos para Oman. O país tem lindíssimas praias e ficamos surpresos pela infra-estrutura para o turismo. No primeiro dia, fomos para a Praia das Tartarugas (Turtle Beach). Mantida pelo governo, a praia possui um programa de preservação de tartarugas marinhas. Os visitantes podem ver as tartarugas colocando ovos durante a noite e, pela manhã, assistir a eclosão dos ovos e a difícil jornada das pequenas tartarugas até o mar. Até mesmo eu que não curto muito turismo que envolva contemplação de animais, fiquei deslumbrada com a experiência.

Depois do mini “safári”, partimos para Muscat, a capital de Oman. Lá, dividimos o tempo entre esportes, como mergulho e snorkeling, e atividades culturais, como visitas guiadas à principal mesquita da cidade e aos tradicionais mercados de ouro e especiariais. Também visitamos um orfanato que abriga crianças abandonadas. Estávamos inseguros se iria funcionar, já que as crianças não falam inglês, mas deu tudo certo. No final, meninos e meninas de 5 e 6 anos estavam nos ensinando árabe e se divertindo com brincadeiras simples como amarelinha e avião de papel.

Todas as atividades visam também fortalecer a conexão entre os alunos. Tudo indica que cumprimos o objetivo. Além de termos o privilégio de conhecer Oman com alguém de lá que nos mostrou os tesouros escondidos e as peculiaridades culturais do país, também terminamos a viagem com 24 novos amigos. Agora, estou recarregando as baterias na Grécia para já na semana que vem recomeçar as aulas. Mal posso esperar pelas novas aventuras e histórias que o segundo e último ano me reserva e que espero compartilhar com vocês.

Até mais!

Andrea Beer

Leia também:
Podcasts em inglês: conheça o processo de seleção para MBAs no exterior
Especialização, MBA ou mestrado acadêmico: o que fazer?

Conecte-se ao Estudar Fora

Leia Mais

impacto social
estudar na Asia
tudo sobre o GMAT
estudar idiomas