Fundação Estudar
InícioOutrosComo fazer um cronograma de estudos em 10 passos

Como fazer um cronograma de estudos em 10 passos

Mariane Roccelo - 15/06/2023
Comentários:

Cronogramas de estudo servem para organizar um passo a passo eficaz e simplificado com todas as tarefas e demandas que o aluno precisa dar conta na hora de se planejar. No Brasil, é comum estudantes montarem um cronograma de estudos para o ENEM, applications, concursos e outras provas. Essa ferramenta é ideal para organizar múltiplas tarefas, aprender assuntos que exigem o domínio de grandes quantidades de conteúdos e evitar percalços no futuro.

Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo.

Estudar muitas matérias ou conteúdos variados ao mesmo tempo é um desafio que demanda estratégia e organização. Embora a maioria dos alunos tenham que lidar com esse dia a dia, nem todos dão a devida atenção para a preparação, que pode ser fundamental para que os estudos rendam muito mais. Ter um cronograma de estudos é essencial para não perder o foco, ficar perdido no meio do caminho ou garantir o fôlego ao longo de toda a jornada.

Neste texto, organizamos um passo a passo de como montar um cronograma de estudos misturando algumas técnicas conhecidas com dicas de como ser realista e eficiente na hora de se planejar. Além disso, lembramos que esse cronograma pode ser combinado com outras técnicas de estudo voltadas para outras necessidades, como o Mapa Mental – muito útil para memorizar coisas e organizar pensamentos.

Mapa mental: como fazer e para que serve essa técnica?

1. Cronograma de Estudos e a técnica SMART

A técnica SMART é um conjunto de diretrizes e práticas úteis para seguir na hora de planejar como alcançar um objetivo. SMART é o acrônimo de Specific, Measurable, Attainable, Relevant e Time-based. Ou seja:

Specifics: “específico”, ou seja, seja objetivo e claro;
Measurable: “mensurável”, inclua no cronograma o que é possível palpável;
Attainable: “alcançável”, há coisas que é possível controlar, há outras que não. Foque na primeira opção na hora de se planejar;
Relevant: “relevante”, priorize as coisas mais relevantes.
Time-based: “temporal”, estruture o cronograma a partir do tempo que você tem disponível.

Essas práticas devem servir somente como orientadoras do planejamento, não são regras para serem seguidas de forma dura e intransigente. A ideia é destacar alguns costumes e pontos que facilitam e ajudam na hora de alcançar bons resultados. Agora vamos para o nosso passo a passo.

2. Tenha uma agenda ou calendário com seu cronograma de estudos

Anotar seu cronograma em algum lugar de fácil acesso é essencial. Pode ser uma agenda simples, um calendário, um Bullet Journal, um papel sulfite ou aplicativos de organização, como o Notion ou o Google Agenda. O importante é ter em mãos um espaço com separação de dias e horários de cada semana e mês.

Nesse espaço, você poderá ter uma visão clara de quanto tempo diário e semanal dedicará para cada tarefa e encontrar os melhores horários e dias para executar tudo que precisa fazer, incluindo descansar – tudo é planejado de acordo com o tempo que tem disponível.

3. Elenque todas as atividades

Primeiro, escreva todas as atividades que você precisa realizar em uma lista para não esquecer de nenhuma. Em seguida, coloque-as no seu cronograma de acordo com o dia e horário que você precisa realizar cada uma.

Leia também: Especialistas indicam 4 passos para escolher uma universidade no exterior

Nesta etapa, é importante colocar todas as atividades obrigatórias e com horários fixos, como aulas ao vivo, cursos, treino de algum esporte, atividades extracurriculares, grupos de estudo etc.

Foto: Glenn Carstens-Peters | Unsplash

4. Separe tempos para se alimentar e descansar

Não dá para aprender e memorizar conteúdos sem manter uma rotina saudável. Depois de colocar todas as atividades com horários fixos no seu cronograma de estudos, separe os horários para você tomar café da manhã, almoçar e jantar com algum conforto (nada de separar 10 minutos para as refeições) e planeje os horários de descanso.

Separar momentos para se alimentar direito e descansar é uma parte muito importante do planejamento e essenciais para evitar os famosos burnouts, que também podem ser chamados de “piripaques”, durante seus estudos. Nosso cérebro precisa descansar para ser mais eficiente e se manter saudável.

Não se esqueça de planejar os horários para garantir cerca de 8h de sono. Dormir bem é fundamental para conseguir aprender e armazenar muitas informações. Neste texto, explicamos como a falta de sono pode afetar o aprendizado, além de causar uma série de problemas de saúde: por que dormir bem é prioridade nos estudos e como ter uma boa noite de sono.

Foto: Kate Stone Matheson | Unsplash

5. Anote os horários de estudos autônomo

Agora que já anotou todas as etapas fixas e estruturais do seu cronograma, chegou a hora de encaixar os horários de estudo autônomo, ou seja, os momentos que estudará por conta própria. Será nesses momentos que você revisará tudo que está estudando.

Para quase todos os estudantes, somente os momentos em aulas e cursos não são suficientes para memorizar e aprender por completo um conteúdo. Sem mencionar as lições de casa, trabalhos escolares, redações etc. Separar momentos para estudar por conta própria é imprescindível e, se possível, coloque, ao menos, um deles por dia.

6. Separe de um a três momentos da semana como reserva

Esses momentos ou horários reserva são espaços na sua agenda para você estudar um pouquinho mais, caso precise de um momento a mais para rever algo. Caso esteja com todas as coisas em dia e bem memorizadas, esses momentos podem ser utilizados para descansar! Essa etapa é simples mas importante para que você tenha um espaço reserva na agenda caso apareça algum imprevisto.

7. Anote o tempo de duração de cada atividade

Outra etapa simples: separe a quantidade de tempo total que você vai precisar para completar cada uma das tarefas. Nessa etapa, considere o tempo de deslocamento, para atividades realizadas fora de casa, e o local em que você ficará durante cada uma das atividades.

8. Seja realista com os horários

Depois de listar o tempo que cada atividade demanda, chegou a hora de encaixá-los no cronograma de estudos. A dica mais importante para essa parte é: seja realista.

Organizar os horários é uma das etapas mais importantes, por isso é necessário ser bastante realista na hora de planejá-los. Nossas dicas são:

  • Não coloque um horário grudado no outro e dê uma folga entre as atividades. Poucas pessoas conseguem terminar uma atividade e emendar outra logo em seguida. Ainda que você consiga fazer isso nas primeiras semanas, com o tempo e o cansaço acumulados esses minutinhos de respiro fazem toda a diferença;
  • Não coloque muitas atividades diferentes no mesmo dia, quando possível, concentre os estudos de cada coisa em um dia específico para essa atividade. Por exemplo: se em um determinado dia você tem mais aulas de uma matéria, tente estudar para essa matéria no mesmo dia;
  • Não separe muitas tarefas com tempos curtos ao longo dos horários, tente dedicar mais tempo de estudo para um tema e variar as demandas ao longo da semana;
  • Leve em consideração os horários que seu cérebro está “acordado”. Se você fica mais desconcentrado ou lento em uma parte do dia, ou sua energia tende a ser menor em outra, seja manhã, tarde ou noite, deixe as atividades mais leves para os horários que rendem menos e as pesadas para os momentos em que seu corpo opera melhor. Cada pessoa costuma ter um perfil próprio de rendimento em relação ao momento do dia, portanto, tente focar no que seu corpo se sente mais saudável sem se prender às tradições.

9. Faça um levantamento dos conteúdos que você precisa estudar

Agora que os horários e atividades estão montados no seu cronograma de estudos, chegou a hora de organizar os conteúdos. Faça um levantamento de tudo que você precisa estudar ao longo de um período de tempo.

Por exemplo, se está estudando para o ENEM, elenque cada matéria que precisará estudar: Biologia, Química, Física, História, Geografia, Filosofia, Sociologia, Português, Literatura, Matemática e Redação. Se estiver estudando para um processo seletivo diferente, inclua todas as atividades que serão importantes e considere cada uma das etapas até concluir o que precisa, como exames de proficiência, cartas de motivação, projetos de pesquisa etc.

Em seguida, estipule uma data limite para terminar de cada um dos conteúdos. Caso esteja se planejando para o ENEM ou outros concursos, é interessante que esta data seja um tempo antes da prova, para que você possa incluir, também, um tempinho para revisar e rever o conteúdo antes de ir para o exame.

10. Quebre os conteúdos em etapas 

Depois de elencar todos os conteúdos que precisa dar conta, quebre cada um desses conteúdos em etapas e coloque uma data limite para concluir cada uma delas. Esse momento é importante para que você não fique tempo demais em um só tópico e acabe acumulando coisas demais nas etapas finais. Ou seja, pensar o cronograma sendo realista com o tempo que você tem para se dedicar para cada coisa.

Continuando o exemplo do ENEM, por ser um exame conhecido por todos, quebrar em etapas significaria, por exemplo, quebrar cada uma das matérias da seguinte forma:

  • Biologia: ecologia e Sustentabilidade, e problemas ambientais. Evolução. Imunização. Genética e mutações. Citologia. Ciclos de carbono, nitrogênio e água.
  • Química: Unidades de concentração, estequiometria, pH e pOH. Cadeias Carbônicas. Radioatividade. Soluções, oxidações e eletroquímica.
  • Física: eletricidade. Hidrostática e Ondas. Óptica. Calorimetria. Acústica e Mecânica.
  • História geral: Período de Idade Média e Moderna, e Revolução industrial. Primeira e Segunda Guerra Mundial, Nazismo, Holocausto e Fascismo. Liberalismo e Guerra Fria.
  • História do Brasil: Sistema, economia e administração colonial. Segundo Reinado, crise do sistema colonial e processo de Independência. República Velha, República Populista e Era Vargas. Ditadura Militar e governos pós-Ditadura Militar.
  • Geografia: Agricultura Brasileira, Impactos no meio ambiente, Planos e blocos econômicos, Geopolítica mundial, Migrações, Desenvolvimento humano e social.
  • Filosofia e Sociologia: Globalização, Iluminismo, Existencialismo, Marxismo, Contratualismo, Relações de Trabalho, Cultura de massa, Movimentos sociais, São Tomás e Santo Agostinho e Pensadores da Grécia Antiga.
  • Português: Funções de linguagem e gramática, Semântica, Compreensão e interpretação de texto, Norma culta e coloquial, Morfologia, Linguística, Sintaxe e Gêneros textuais.
  • Literatura: Movimentos literários (barroco, quinhentismo, modernismo, naturalismo e realismo), Obras literárias, Figuras de linguagem, Poesias Concretas e Literatura Contemporânea.
  • Matemática: Porcentagem, Razões e proporções, Leitura e interpretação de gráficos, Medidas para dados simples, Prismas e Regra de três.
  • Redação: escrever uma redação a cada 15 dias.

Caso seu cronograma de estudos seja para uma application para conseguir uma bolsas de estudos e realizar uma graduação no exterior, para se planejar para uma pós-graduação internacional ou estudar algum idioma, confira nossos materiais e guias de estudos gratuitos a seguir. Além disso, oferecemos neste link (disponível aqui) um calendário de application baseado no modelo dos Estados Unidos.

Dicas finais!

Seu cronograma de estudos está pronto! Conforme os estudos forem avançando, não se esqueça que é impossível aprender tudo de uma vez – por isso distribuir os conteúdos por etapa é tão importante, assim como separar os horários de descanso e autocuidado.

Conforme as semanas forem avançando, não se esqueça que é normal aprender alguns conteúdos melhor do que outros, uma vez que as pessoas têm facilidade para aprender coisas diferentes. Caso tenha alguma matéria ou atividade que encontre mais dificuldade, não se desespere e tente aprender o que for possível. Aproveite os momentos de reserva para revisar esses conteúdos sem prejudicar seu planejamento. Bons estudos!

O que você achou desse post?

Sobre o escritor

Mariane Roccelo
Mariane Roccelo
Jornalista. Formada em Jornalismo e Comunicação Social pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP). Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Meios e Processos Audiovisuais (PPGMPA) e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (PPGCOM), ambos da USP.

Artigos relacionados