Um Projeto: Fundação Estudar

Tudo sobre seguro saúde, item essencial no intercâmbio

Por Marcela Marcos
29.11.2018

Seguro saúde, seguro viagem internacional, plano de saúde... quais as diferenças? As vantagens? Quanto custa? Onde são exigidos? Confira!


Você está organizando a checklist dos documentos necessários para estudar no exterior e se deparou com a exigência de um específico: o seguro saúde (por vezes confundido com seguro viagem). Não bastassem os trâmites com passaporte, visto e, claro, a lista de documentação da application da universidade onde pretende se matricular, ainda tem mais essa necessidade? Bom, em geral, sim: muitos são os países – principalmente no bloco europeu – que exigem esse tipo de seguro, embora alguns programas de bolsa de estudos cubram os gastos com saúde.

Saiba quais são as opções de bolsa com inscrições abertas

Mesmo quando o seguro saúde não é exigido pela embaixada do país para onde você está planejando fazer intercâmbio, é importante considerar contratá-lo por conta própria. Isso porque o plano te deixa mais confortável caso precise passar em consulta médica e, claro, caso tenha alguma emergência.

Veja a experiência do brasileiro salvo pelo seguro saúde durante o intercâmbio

Mas como, então, contratar um seguro? E quais são as exigências para fazê-lo? É caro? Essa e outras dúvidas a gente esclarece agora! Confira:

Afinal, o que é o seguro saúde?

De acordo com Renato Spadafora, responsável por seguros na CI Intercâmbio, “o seguro é um item imprescindível para viagens a qualquer destino internacional, afinal, estando longe de casa estamos muito mais vulneráveis a problemas de saúde com alteração de hábitos alimentares e clima, além de ficarmos sem referências para resolver inconvenientes, especialmente de natureza médica”.

Vale ressaltar que seguro saúde e plano de saúde são coisas diferentes. No caso do plano, o atendimento só pode ser feito por profissionais associados ao convênio médico, enquanto o seguro saúde permite escolher o local de atendimento. Uma vez que os planos de saúde que utilizaríamos no Brasil não têm validade no exterior, a saída é, de fato, o seguro de saúde. Ou até mesmo um seguro viagem, que é mais abrangente e dá assistência a problemas como extravio de bagagem, assistência jurídica, repatriação sanitária e funerária, entre outras dificuldades que o intercambista possa ter lá fora.

Quais países exigem seguro?

Alguns países têm o seguro como um item obrigatório, e este pode ser exigido ao emitir o visto na imigração. Veja quais são eles:

# Na Europa

Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Islândia, Itália, Islândia, Liechtenstein, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Países Baixos, Polônia, Portugal, República Tcheca, Suécia, Suíça.

# Na América Latina

Cuba e Venezuela.

# Na Oceania

Austrália

Onde contratar o seguro?

O seguro viagem internacional (que, como já dissemos, é mais abrangente que apenas o seguro saúde) pode ser contratado:

# em agências de intercâmbio
em empresas que cuidam especificamente de seguros
# na própria agência bancária do intercambista
# diretamente na companhia aérea
# junto a uma operadora de cartão de crédito: algumas operadoras de cartão oferecem o benefício gratuitamente

No caso da CI, o processo para conseguir um seguro na agência é simples, bastando informar o período, país de destino e tipo de viagem (estudo, lazer, trabalho, etc). Renato Spadafora explica que “a CI oferece o Intercare, que é um seguro viagem próprio da empresa com o respaldo de uma das maiores empresas de seguro do mundo. O benefício é disponibilizado em três versões, com diferentes limites de gastos médicos e demais coberturas como extravio de bagagem, seguro de vida e repatriação médica”.

Já na EF, o seguro está incluso, para qualquer destino, no valor dos pacotes de intercâmbio oferecidos pela agência.

Quanto custa?

O valor do seguro varia conforme a empresa e a faixa etária do contratante.

Segundo o CEO da ComparaOnline (marketplace de comparação de seguros e produtos financeiros) no Brasil, Paulo Marchetti, “o valor é baixo perto do benefício: pode custar o mesmo valor que um café por dia e elimina um grande risco. Todos os planos de seguro cobrem enfermidades e acidentes, o que é essencial para garantir o atendimento médico no país”.

Ainda de acordo com a ComparaOnline, para uma viagem de seis meses, o seguro custa, em média, R$ 1.340 para pessoas de 19 a 25 anos e R$ 1.361 para pessoas de 26 a 30 anos. Já para um intercâmbio de 12 meses, o valor médio é de R$ 2.414,40 para pessoas de 19 a 25 anos e R$ 2.381,34 para pessoas de 26 a 30 anos.

 

Tem outras dúvidas relacionadas a intercâmbio? Confira nosso passo a passo completo!

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d