Um Projeto: Fundação Estudar
Bela vista interna na Universidade de Oslo

7 países em que é possível estudar de graça – ou quase

Por Lecticia Maggi
04.06.2019

Países como Alemanha, Noruega e Áustria oferecem cursos superiores em inglês e de graça ou com preços acessíveis. Confira!


Quando o assunto é estudar de graça fora do país, os destinos mais procurados pelos brasileiros são Canadá, Estados Unidos e Inglaterra, de acordo com a Associação Brasileira de Organizadores de Viagens Internacionais e Culturais (Belta). Embora os EUA estejam em primeiro lugar, o fato é que o “sonho americano” muitas vezes esbarra num ponto difícil de ser superado: o alto custo!

No entanto, existem países em que é possível estudar de graça ou a preços bem menores, e o melhor: os programas são em inglês, mesmo essa não sendo a língua oficial de alguma dessas nações. O Estudar Fora reuniu a seguir seis opções de lugares onde o intercâmbio é bem mais acessível:

Leia também: Tire suas dúvidas sobre como fazer a graduação na Alemanha

Estudar de graça na Alemanha

Desde outubro de 2014, todas as universdades alemãs não cobram tuition fees de nenhum aluno, incluindo estudantes estrangeiros, tanto para cursos de graduação quanto programas de mestrado integrados. A exceção é a universidade de Daden-Würtemberg, que atualmente cobra 1.500 euros (cerca de R$ 6.500) por semestre de alunos estrangeiros .

Em algumas universidades federais, cobra-se uma contribuição semestral e/ou taxas administrativas (na casa de 50 euros, ou R$ 217 aproximadamente). É possível que essa política venha a mudar no futuro; no entanto, você pode ficar de olho nesta página de informações para estudantes estrangeiros na Alemanha para ver quais instituições cobram quais taxas.

Os cursos de mestrado separados (aqueles que não acontecem no ano final de um programa de graduação) via de regra são cobrados na Alemanha. No entanto, eles acabam sendo mais baratos do que em outros países europeus. Já os programas de PhD na Alemanha costumam ser gratuitos. Em alguns casos, os alunos só pagam a partir do segundo semestre, mas mesmo nesses casos paga-se uma contribuição de 150 a 200 euros (R$ 650 a R$ 870) por semestre. O mais comum, porém, é que os alunos do PhD trabalhem num projeto de pesquisa ganhando salário, ou ganhem uma bolsa para estudar.

No entanto, além dos estudos, há as despesas com custo de vida. E estudantes na Alemanha gastam cerca de 500 a 800 euros (R$ 2.170 a R$  3.470) por mês com alimentação, transporte, acomodação e outras despesas. Geralmente, o governo alemão exige 8.000 euros para um ano de quem quer estudar no país. O governo também autoriza universitários brasileiros a trabalhar 120 dias por ano em tempo integral ou 240 dias meio período.

Estudar de graça na Universidade de Hohenheim
Estudar de graça na Universidade de Hohenheim

Leia também: Conheça 8 programas de bolsa para estudar na Alemanha

Estudar de graça na Áustria

Para alunos estrangeiros, as universidades públicas ou federais da Áustria cobram apenas cerca de 360 a 720 euros (R$ 1.560 a R$ 3.150) por semestre de tuition fees, segundo o Study in Austria. Há ainda uma taxa de 19,20 euros (cerca de R$ 83) referente à participação na união de estudantes do país, e a um seguro contra acidentes para estudantes.

Mesmo nesses casos, há oportunidades de isenção ou de reembolso para essas taxas. Essas oportunidades existem para participantes de determinados programas de intercâmbio, para membros de universidades parceiras ou para cidadãos de países em desenvolvimento (categoria na qual o Brasil é frequentemente incluído). No entanto, é preciso verificar essas oportunidades individualmente em cada universidade e para cada curso.

Fora isso, há também oportunidades de bolsas de estudo no país. Uma lista dessas oportunidades pode ser vista aqui. Algumas delas cobrem, além dos custos de estudo, os custos de vida no país, que ficam na casa de 950 euros (R$ 4.150) por mês.

Estudar de graça na Noruega

Segundo o site Study In Norway, universidades e faculdades estatais da Noruega via de regra não cobram tuition fees dos alunos, incluindo estudantes estrangeiros. Isso se aplica a todos os níveis, incluindo graduação, mestrado e doutorado. No entanto, os estudantes devem contribuir com uma taxa de 300 a 600 coroas norueguesas (cerca de R$ 133 a R$ 266) por semestre.

Ainda assim, algumas instituições públicas da Noruega podem cobrar tuition fees para alunos matriculados em alguns programas específicos, em geral no nível de mestrado. E a maioria das instituições privadas cobra tuition fees em todos os programas. Mesmo nesse caso, elas costumam ser menores do que em outros países para cursos do mesmo nível, e as taxas para alunos estrangeiros não são maiores do que para noruegueses.

Por outro lado, o custo de vida na noruega é mais alto. Estudantes podem esperar gastar de 90 mil a 100 mil coroas norueguesas (R$ 40 mil a 44 mil) por ano com alimentação, acomodação e transporte por lá. Uma lista completa de universidades norueguesas pode ser vista aqui.

Estudar de graça (ou quase) na Finlândia

A Finlândia é uma das nações com melhor qualidade de ensino e de vida do mundo. E segundo o site Study in Finland, alunos de cursos de PhD não pagam tuition fees. O mais comum é que eles recebam salário ou bolsas de estudo enquanto atuam como pesquisadores.

Para cursos de mestrado e graduação, porém, tanto as instituições públicas quanto as privadas cobram tuition fees desde o segundo semestre de 2017. Mesmo assim, em alguns casos, é possível ficar isento dessas taxas. Esta página mostra alguns casos em que é possível obter isenção.

Leia também: 5 coisas que você precisa saber antes de estudar na Finlândia

E, mesmo que você precise pagar, há também oportunidades de bolsa para as instituições do país. Elas precisam ser verificadas em cada universidade, e para cada curso, no entanto. Uma lista das universidades finlandesas pode ser vista aqui.

Além disso, o aluno precisará arcar com seus gastos pessoais. Segundo o site, esses gastos variam entre 700 e 900 euros por mês (R$ 3.000 e R$ 3.900). Mas o país permite que universitários não europeus trabalhem 25 horas por semana durante o período letivo, o que pode ajudar. O site da embaixada da Finlândia no Brasil oferece também diversas informações em português  para quem pretende estudar lá.

Estudar de graça (ou quase) na Suécia

Assim como na Finlândia, os estudantes estrangeiros na Suécia não precisam pagar tuition fees para programas de doutorado. O mais comum é que eles recebam salário ou, ao menos, uma bolsa de estudos.

No entanto, no caso de programas de graduação ou mestrado, essas taxas podem ser aplicadas. Mesmo assim, o site Study in Sweden mostra uma lista de universidades que oferecem bolsas de estudo para alunos estrangeiros.

O custo de vida no país, por sua vez, fica em torno de 8.370 coroas suécas (ou mais ou menos R$ 3.400) por mês incluindo alimentação, acomodação e transporte.

Pós Graduação na França

A França possui mais de 76 cursos de graduação em inglês, mas a maioria é oferecida por universidades particulares e costuma ser cara. Já para quem procura pós-graduação, há preços bastante atrativos.

O mestrado de engenharia de nanotecnologia da Universidade de Lyon, por exemplo, custa cerca de 500 euros por ano (mesmo para estudantes não europeus), já com o seguro saúde incluso. O curso tem duração de dois anos e as aulas são em inglês.

Já a pós-graduação em Estudos Culturais Comparados da Universidade Jean Moulin, em Lyon, custa 250 euros e tem duração de dez meses.

Segundo o governo francês, o universitário precisa de 430 euros por mês para se manter enquanto estuda no país. Alunos internacionais podem trabalhar até 964 horas ao ano na França, o que corresponde a 60% da carga horária de uma pessoa com emprego em tempo integral.

Leia também: Tudo o que você precisa saber para estudar na França

Portugal – pós com ótimos preços

Assim como a França, a maioria dos cursos de graduação em Portugal têm custo elevado. Contudo, para quem busca pós-graduação, o país pode ser uma excelente opção. O mestrado em Energia Sustentáveis, do Instituto Politécnico do Porto, por exemplo, custa 950 euros  (R$ 4.150) ao ano e dura dois anos.

Quer saber qual é o melhor momento para estudar fora?

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d