Um projeto: Fundação Estudar

Universidades

Perfis, curiosidades e oportunidades das melhores universidades do mundo

20.01.16

Scuola Normale Superiore di Pisa: pouquíssimos alunos, muita tradição

Scuola Normale Superiore di Pisa: pouquíssimos alunos, muita tradição

Fundada por Napoleão, a Escola de Pisa se dedica a formar grandes intelectuais da física à história. Hoje, tem apenas 480 alunos. Saiba mais!

Como muito da história europeia do século XIX, a Escola Normal Superior de Pisa tem a ver com Napoleão Bonaparte. Formalmente fundada em 1810 por um mandato napoleônico que exigia “espaços de instrução pública” na Toscana, então província francesa, nasceu oferecendo 25 vagas em ciências e humanidades, todas patrocinadas pelo governo. O objetivo era criar uma ramificação da École Normale Supérieure de Paris, famosa pela formação de professores.

As vagas eram disputadas pelos melhores alunos com idades entre 17 e 24 anos, e os admitidos moravam e estudavam por lá durante dois anos. Rígida, a escola tinha quatro tutores para acompanhar de perto o rendimento diário do grupo. O curso exigia também que o aluno se comprometesse a ser professor por pelo menos dez anos para receber o diploma.

Após a renúncia de Napoleão e a reunificação da Itália, a Toscana decidiu manter a Escola Normal praticamente como estava. Em 1862, conseguiu a autorização formal do governo italiano e incluiu algumas mudanças curriculares importantes.

Hoje totalmente autônoma, a Escola divide seus estudos em três faculdades: Literatura e Filosofia, Física e Matemática e Humanidades e Ciências Humanas. Esta última veio apenas em 2014, após a união com o Instituto Italiano de Ciências Humanas de Florença. Na prática, professores, pesquisadores e alunos trabalham juntos, tanto em aulas quanto em laboratórios, e são oferecidos diplomas de graduação e doutorado.

O corpo discente da escola continua pequeno e muito seleto: são somente 480 alunos, que são escolhidos por mérito e recebem auxílio para para estudarem. Atualmente, o objetivo da instituição é maior que o original: formar acadêmicos, profissionais e cidadãos com um ampla experiência cultural e atitude crítica e reflexiva.

Exemplo claro deste sucesso é o físico Enrico Fermi, falecido em 1954. Durante o disputado exame de admissão, Fermi, então com 17 anos, precisou escrever uma redação sobre as características do som, e passou em primeiro lugar. Com amigos e professores, desenvolveu as teorias que o ajudaram a se tornar um dos maiores cientistas da história – o nome da partícula férmion, inclusive, é uma homenagem a ele.

Com o tempo, o ambiente elitizado da Normale se abriu para a sociedade, para alegria de nativos e turistas. Hoje em dia, atividades culturais como saraus e concertos acontecem com frequência no campus, que fica no centro medieval da cidade.

Famosos que passaram pela escola: 

– Enrico Fermi, físico e vencedor do Nobel; criador do primeiro reator nuclear e figura importante no campo da física quântica, nuclear e de partículas;
– Leonida Tonelli, matemático;
– Giosuè Carducci, poeta;
Carlo Ginzburg, historiador.

Acesse aqui o site da universidade
Saiba mais sobre o processo seletivo

*Foto da Scuela Normale Superiore di Pisa / Crédito: David Tuffley, divulgação

Leia também:
Dicas e sites para te ajudar a estudar na Itália
Harvard: conheça a mais prestigiada universidade dos EUA
Conheça as 8 universidades que formam a Ivy League

Conecte-se ao Estudar Fora

Leia Mais

impacto social
estudar na Asia
tudo sobre o GMAT
estudar idiomas