Um Projeto: Fundação Estudar
quanto custa estudar na Nova Zelândia

Quer estudar na Nova Zelândia? Confira 5 pontos importantes para a decisão

Por Colunista do Estudar Fora
24.04.2019

Por Alberto Costa, de Cambridge English


Talvez você até saiba que a Nova Zelândia serviu de cenário para os filmes da trilogia O Senhor dos Anéis, que arrebatou fãs em todo o mundo. Mas você sabia que estudar na Nova Zelândia também está na lista de desejos dos brasileiros? O destino é o quarto no ranking dos preferidos, segundo levantamento da Associação Brasileira das Agências de Intercâmbio (Belta), ficando a frente de países como Austrália e Irlanda.

Esse bom desempenho pode ser explicado pelas universidades excelentes localizadas por lá, pela boa receptividade à mão de obra estrangeira e até mesmo pela ótima relação custo benefício. Afinal, o dólar neozelandês é 25% mais em conta do que o americano.

Se animou? Se entre as suas aspirações está estudar na Nova Zelândia, confira abaixo alguns fatos importantes que podem contribuir para a preparação:

1. Suas universidades estão entre as 450 melhores do mundo

Educação é, sem dúvidas, um dos temas mais levados a sério na Nova Zelândia. Periodicamente as instituições do país são avaliadas por órgãos ligados ao governo e apenas aquelas que são aprovadas nesse processo tornam-se aptas a receber estudantes internacionais.

Entre as universidades mais renomadas estão a University of Otago, o Eastern Institute of Technology, a Victoria University of Wellington, a Massey University, a Media Design School, a University of Auckland e o Birkenhead College. Todas elas figuram no ranking britânico QS World University Ranking.

2. Saúde, ciência e tecnologia

Se você almeja uma carreira ligada a uma dessas áreas acima, estudar na Nova Zelândia pode ser uma ótima escolha. O renome internacional das suas instituições é impulsionado pela qualidade da pesquisa científica em biotecnologia, áreas agrícolas, medicina diagnóstica e outras correlatas. Isso acontece porque grande parte do PIB do país é gerado por esses setores.

Entretanto, há outros segmentos que também se destacam. É o caso, por exemplo, da hotelaria e do turismo e até mesmo da gastronomia. As opções de qualificação locais possuem um nível de excelência comparável ao da Suíça, por exemplo.

3. Muitas universidades disponibilizam bolsas de estudo

Segundo a Education New Zeland, órgão responsável por promover o estudo internacional no país, a educação internacional contribui com US$ 4,5 bilhões para a economia da Nova Zelândia. Opaís também é o quarto maior exportador de educação, apoiando 33 mil postos de trabalho.

Sendo assim, o país faz questão de ter os melhores alunos em suas instituições. No site do departamento é possível encontrar informações sobre as universidades que oferecem ajuda de custo ou programas de bolsa, por exemplo.

4. É preciso comprovar o domínio de inglês para estudar na Nova Zelândia

Logo nas primeiras buscas de informação, quem pensa em estudar na Nova Zelândia já se depara com a necessidade de possuir no currículo uma certificação internacional de proficiência em inglês, item solicitado nos processos seletivos de admissão das instituições estrangeiras para garantir que o candidato tem um bom domínio do idioma para acompanhar as aulas e executar as atividades acadêmicas e do dia a dia, como se relacionar com os colegas.

Na terra dos Kiwis, nome dos habitantes locais em homenagem a um pássaro típico da região, 100% das Universidades aceitam o certificado do exame C1 Advanced, de Cambridge Assessment English, para admissão dos cursos de graduação e para grande parte das opções de extensão e especialização. O exame C2 Proficiency também é aceito.

Além disso, o C1 Advanced e o B2 First, que corresponde ao domínio de conhecimento intermediário superior, também podem ser utilizados para solicitar o visto Pathway Student Visa, que permite que o estudante trabalhe em uma vaga de meio período por até 20 horas semanais durante o ano letivo e integralmente nas férias. Para dar a entrada no pedido é preciso ter uma oferta de admissão de uma instituição educacional participante do programa do visto Pathway e comprovar ser capaz de bancar os estudos no país.

5. É liberado trabalhar

Para quem está com a verba mais curta, estudar na Nova Zelândia pode ser interessante pela possibilidade de trabalhar. O estudante por lá recebe permissão para atuar em praticamente qualquer área por até 20 horas durante o período letivo e a carga horária aumenta nos meses de férias. O processo de visto é simples quando comparado com outros destinos.

Para quem vai a turismo para o destino ou para estudantes que buscam cursos com duração de até 12 semanas não é necessário entrar com pedido de visto antes de sair do Brasil: ele é emitido na chegada à Nova Zelândia, ainda no aeroporto. Já para quem tem outros objetivos, a embaixada da Nova Zelândia em Brasília é a responsável pela concessão dos vistos para entrada e permanência no país.

E há muitas opções! No site do governo para temas de imigração é possível encontrar detalhes das possibilidades para quem quer estudar, trabalhar, viver permanentemente, empreender ou investir por lá.

 

Dica do Estudar Fora:

Autoliderança é uma competência fundamental para você guiar a sua carreira. É por meio dela que você vai construir um direcionamento que faça sentido para você e desenvolver meios para superar os obstáculos. E para dar a importância que esse termo merece, a Fundação Estudar criou o Liderança Na Prática, um curso de quatro dias que vai te ajudar a descobrir e colocar em prática o seu sonho grande. Inscreva-se agora com 10% de desconto usando o cupom ESTUDARFORA. É só clicar aqui!

 

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d