Um Projeto: Fundação Estudar

Brasil está entre os 10 países que mais enviam estudantes aos EUA

Por Marcela Marcos
19.11.2018

Dados são do Instituto de Educação Internacional. Número de matrículas de brasileiros em universidades norte-americanas cresceu 11,7% após dois anos consecutivos de queda


O número de brasileiros estudando em universidades dos Estados Unidos cresceu 11,7% em relação a 2017, passando de 13.089 para 14.620, após dois anos consecutivos em queda. Os dados são do relatório anual Open Doors, produzido pelo Instituto de Educação Internacional (IIE, na sigla em inglês).

A pesquisa também revelou que o Brasil é o 10º país que mais envia estudantes aos EUA, precedido por outros como México, Arábia Saudita e Coréia do Sul. A China ocupa o topo da lista entre as localidades de origem de matriculados em universidades norte-americanas.

Leia também:

Curso de liderança nos EUA com profissionais da NASA
Inscrições abertas para o preparatório gratuito da Fundação Estudar
FAQ Estudar Fora: Principais perguntas sobre estudos no exterior

Áreas mais procuradas por brasileiros nos EUA

O relatório Open Doors também analisa as áreas de estudo mais procuradas pelos estudantes nos EUA. No caso dos brasileiros, os cursos mais buscados estão nos campos de administração, engenharia e ciências da computação.
Já as universidades mais procuradas por alunos brasileiros são, nessa ordem: Valencia College, University of California Los Angeles, Columbia University, New York University e University of Florida. Harvard também aparece no top 10 das mais requeridas, na nona posição. Entre os locais dos EUA com mais brasileiros, lideram Flórida, Califórnia e Nova York.

Níveis acadêmicos de estudantes nos EUA

De acordo com os dados do Open Doors a nível global, porém, o número total de estudantes nos Estados Unidos matriculados em cursos de pós-graduação caiu 2,1% em relação ao ano anterior, sendo que, para mestrado, a queda foi de 5%. Por outro lado, a procura por cursos de especialização profissional subiu 7,3%. Essas informações podem ser acessadas nessa página do relatório, e o estudo completo pode ser visto aqui.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d