Um projeto: Fundação Estudar

Graduação

O que você precisa saber para cursar uma graduação fora do Brasil

20.05.16

8 habilidades que todo jovem de 18 anos deveria ter, segundo ex-reitora de Stanford

habilidades

Autora do livro "How to Raise a Child", Julie Lythcott-Haims lista 8 habilidades essenciais de um jovem que deseja entrar/se destacar na universidade.

Autora do bestseller “How to Raise an Adult” (“Como Criar um Adulto”, editora Rocco) a ex-reitora de Stanford Julie Lythcott-Haims é especialista em comportamento de pais. No seu livro, ela partiu de conversas com comitês de seleção de universidades, outros reitores e da própria experiência para abordar os perigos do que ela chama de “overparenting” – ou a prática de muitos pais de interferirem demais na vida dos filhos, o que, segundo ela, os impediria de crescer e se desenvolver como adultos.

No site Qora, Julie usou a sua expertise ao responder à pergunta “Quais são as habilidades que todo jovem de 18 anos deveria ter?”. O resultado é uma lista que vai surpreender muita gente – pois, mais do que conhecimento técnico, três idiomas e computação avançada, às vezes, a maior aptidão que se pode ter é a independência:

 #1 Um jovem de 18 anos deve conseguir falar com estranhos

Reitores, conselheiros, locadores, caixas, RH’s, colegas de trabalho, gerentes, médicos, motoristas de ônibus, mecânicos — no mundo real, não virtual.

A muleta: ensinamos nossas crianças a nunca conversar com estranhos em vez de ensiná-las a discernir entre os poucos maus estranhos e os muitos bons que existem. Consequência: elas acabam não sabendo como abordar desconhecidos — de forma respeitosa e fazendo contato visual — para pedir ajuda, conselho e a direção que precisarão seguir no mundo.

#2 Um jovem de 18 anos deve conseguir andar por aí

Em um campus, a cidade do estágio de verão ou a cidade em que está trabalhando ou fazendo intercâmbio.

A muleta: damos carona ou acompanhamos nossos filhos para todos os lados, mesmo quando poderiam ir de ônibus, bicicleta ou com as próprias pernas. Consequência: eles não sabem o caminho para ir de um ponto ao outro, como usar o transporte público, como e onde encher o tanque de gasolina ou como fazer planos de locomoção.

#3 Um jovem de 18 anos deve conseguir organizar suas tarefas, trabalhos e prazos

A muleta: Lembramos os jovens que têm lição de casa para fazer e dizemos quando devem fazê-la — algumas vezes ajudando-os ou até mesmo fazendo por eles. Consequência: eles não sabem o que priorizar, como lidar com muitas tarefas e cumprir deadlines sem um lembrete constante.

#4 Um jovem de 18 anos deve contribuir para a rotina da casa

A muleta: Não pedimos que eles ajudem com as tarefas do lar, pois já estão cheios de atividades acadêmicas e extracurriculares. Consequência: jovens não sabem como cuidar de si mesmos, respeitar as necessidades dos outros ou fazer sua parte para o bem de todos.

#5 Um jovem de 18 anos deve conseguir lidar com problemas interpessoais

A muleta: nos intrometemos para solucionar um mal-entendido e acalmar sentimentos machucados dos filhos. Consequência: eles não sabem como lidar e solucionar conflitos sem nossa intervenção.

#6 Um jovem de 18 anos deve saber lidar com altos e baixos

Cursos e carga de trabalho, tarefas da universidade, competição, professores rígidos, chefes e outros.

A muleta: nós nos intrometemos quando as coisas ficam difíceis, terminamos a tarefa, estendemos o deadline e conversamos com os adultos. Consequência: jovens não sabem que no curso da vida nem sempre as coisas serão como esperam. E que ficarão bem independentemente disso.

#7 Um jovem de 18 anos deve ser capaz de ganhar e administrar seu dinheiro

A muleta: eles não têm trabalhos de meio-período, recebem mesadas para o que quiserem ou precisarem. Consequência: não desenvolvem um senso de responsabilidade por cumprir tarefas, não prestam contas a um chefe que não os ama incondicionalmente, não têm consideração pelo valor das coisas, nem sabem como administrar dinheiro.

#8 Um jovem de 18 anos deve ser capaz de tomar riscos

A muleta: Traçamos um caminho a se seguir para eles, evitando armadilhas e tropeços. Consequência: crianças não desenvolvem o sábio entendimento de que o sucesso vem apenas após tentar e falhar e tentar novamente (a.k.a. determinação) e ou a habilidade de ser firme na queda (a.k.a resiliência) que só vem quando lidamos bem com as coisas que deram errado.

 

E, por fim, lembrem-se: Nossos jovens devem ser capazes de fazer tudo isso sem telefonarem para os pais. Se eles estão nos ligando para perguntar “como?”, eles ainda não têm a habilidade para a vida.

 

* Foto: Julie Lythcott-Haims fala no TED Talks Live – Education Revolution / Crédito: Ryan Lash/TED

 

Leia também:
“Talvez a Ivy League não seja para você”, diz especialista
Quer estudar no exterior? Invista em autoconhecimento!
“Procure impacto”: veja o discurso de Sheryl Sandberg aos alunos de Harvard

 

Conecte-se ao Estudar Fora

http://promo.estudarfora.org.br/07de78d376d72cb1d7d3

Leia Mais

impacto social
estudar na Asia
tudo sobre o GMAT
estudar idiomas