Um projeto: Fundação Estudar

Pós Graduação

O que você precisa saber para cursar uma pós-graduação fora do Brasil

29.07.14

Mestrado em Harvard: alunos buscam soluções para problemas reais

Mestrado em Harvard: alunos buscam soluções para problemas reais

José Frederico, colunista do Estudar Fora e aluno do Master in Public Policy de Harvard, faz um balanço do seu 1º ano. Ponto alto: conexão com a prática!

Com o fim de maio, veio a constatação de um outro fim: o do primeiro ano de mestrado. Impossível fugir do clichê “passou muito rápido”, pois as lembranças do primeiro dia de aula estão tão frescas quanto as provas deste último mês. Mas após um ano é possível fazer um balanço mais profundo dos principais pontos deste curso – que no meu caso, se confunde com a realização de um sonho. Com isso, farei da maior parte dos meus próximos posts esta avaliação, buscando mostrar ao leitor os conceitos que mais me chamam a atenção por aqui. Neste, falarei sobre um fator muito presente no mestrado, que é a conexão com a prática. Para isso, explorarei o spring exercise, projeto no final de segundo semestre que é obrigatório no Master in Public Policy da Harvard Kennedy School.parajumpers rea Leia as outras colunas do José Frederico O primeiro ano do mestrado foi marcado pelos core courses – disciplinas obrigatórias de base que incluem economia, estatística, econometria, política comparada, ética e management. Elas não são muito “populares” perante os alunos, pois trazem forte carga analítica e simbolizam a falta de “liberdade” do primeiro ano, em que só temos duas matérias optativas. No segundo semestre, após as últimas aulas deste core, acontece o spring exercise. Nele, todos os alunos do mestrado são apresentados a um problema real, para o qual devem desenhar uma solução em duas semanas. O propósito é o de conectar todas essas matérias e aplicá-las a um grande desafio ou problema existente no mundo. Harvard_Ze3 editado Todos os anos, os mestrandos vivem uma forte expectativa na espera pela definição do tema, que em anos anteriores passou pela relação bilateral EUA – China, tráfico de mulheres e combate à pobreza no México. O anúncio é feito na manhã do primeiro dia do exercício. Neste ano, com todos sentados na sala, a professora responsável pela turma gama (da qual faço parte) roda um vídeo do prefeito de Boston: ele pede a nossa ajuda para melhorar a educação básica desta cidade. Muitos de tão alegres soltam urros, enquanto outros se mostram menos empolgados, por não ser o tema que esperavam. Mas resolver o problema da educação é algo que motiva a maior parte dos presentes. A maratona então se inicia. Na primeira semana, somos expostos a um volume alto de papers e estudos. Ao mesmo tempo, a faculdade organiza uma série de seminários em que recebemos os maiores nomes de Harvard no que tange educação – de referências da Harvard Graduate School of Education a renomados economistas que lidam com o assunto. Mais ainda, conversamos com a equipe de educação da cidade de Boston para entender o problema com mais detalhes. É uma overdose de educação =).

O governo de Boston teve 200 mestrandos de Harvard analisando e fazendo propostas para a melhoria de sua educação

A segunda semana é marcada pelo fechamento das análises e revisão das recomendações. Os melhores projetos são apresentados ao ator do desafio – neste ano, o prefeito de Boston. A banca de avaliação final, montada pela Kennedy, é bastante dura! A minha teve a Diretora da Faculdade de Educação de Harvard – em outras palavras, não dava pra chegar com enrolação! Melhor assim, pois os feedbacks foram muito ricos. E qual é o balanço disso tudo? O governo de Boston teve 200 mestrandos de Harvard analisando e fazendo propostas para a melhoria de sua educação. Mas acho que quem mais ganhou somos nós alunos, que pudemos conectar tudo o que estudamos até agora a um desafio real. Isso mostra a preocupação da faculdade em nos conectar com a prática através de uma solução criativa, nos articulando a governos e nos preparando à nossa futura rotina de tentar resolver grandes problemas no mundo. Vejo esta como uma prática a ser mais explorada por outros cursos, inclusive no Brasil. Leia as outras colunas do José Frederico Leia também: Podcast em inglês: a rica experiência de cursar MBA em Harvard Reitora de Harvard dá dicas para quem quer ser aprovado na universidade ____________________________________________________________________ José_FredericoJosé Frederico Lyra Netto – Colunista sobre a experiência de cursar um mestrado em Harvard Natural de Goiânia (GO), José Frederico Netto é aluno do Master In Public Policy (Mestrado em Políticas Públicas) da Universidade Harvard, como bolsista da Fundação Estudar e da Fundação Lemann. Formado em Engenharia Mecatrônica pela Unicamp, foi Presidente da Brasil Júnior (Confederação Brasileira de Empresas Juniores) e co-fundou a Vetor Brasil. Já atuou como Secretário Municipal em Araguaçu, no interior do Tocantins, e compôs o time de educação do estado de Goiás. É aficionado por empreendedorismo, gestão e pela busca de mudanças em escala através do setor público.parajumpers sverige

Conecte-se ao Estudar Fora

Leia Mais

estagiários da Microsoft comemorando
impacto social
estudar na Asia
tudo sobre o GMAT