Um Projeto: Fundação Estudar

As dicas de professores do exterior para tornar apresentações interessantes

Por Marcela Marcos
18.12.2018

Precisa falar em público, ministrar uma palestra ou apresentar um seminário? Confira como professores de universidades estrangeiras fazem isso!


Quem já vivenciou a experiência de falar em público sabe que a tarefa não é nada fácil, pelo menos nas primeiras vezes. Especialmente quando o conteúdo das apresentações é longo, torna-se ainda mais desafiador manter os ouvintes atentos e interessados.

Para ajudar os acadêmicos a fazer isso com maestria, um artigo publicado no site Times Higher Education reuniu depoimentos de acadêmicos de diversas instituições de ensino superior fora do país sobre como tornar apresentações e palestras mais interessantes. Confira as falas – e as dicas –  dos professores!

Não precisa ter tudo planejado, escrito

Foi quando um estudante me disse que meu cardigã estava do avesso, que eu soube que todo o meu planejamento era uma causa perdida! Isso aconteceu no início da minha carreira acadêmica em Birkbeck, na Universidade de Londres, quando me pediram para dar uma palestra a 150 alunos de graduação do primeiro ano de inglês sobre Shakespeare – um assunto sobre o qual eu sabia muito pouco. Sendo nova e ansiosa, eu me preparei muito, mas nunca consegui terminar de escrever a palestra.

Naquele dia, todas as três fotocopiadoras quebraram. Chegando ao auditório, quando os alunos começaram a chegar, descobri um incompreensível sistema AV sem nenhum sinal evidente no interruptor. Tive que pedir ajuda na recepção. Finalmente, enquanto corria de volta para a sala encharcada de suor, fui parada por uma aluna no meio do corredor. Virei-me aliviada, pensando que ela talvez soubesse como a tecnologia funcionava, mas ela só falou, gentilmente, sobre meu cardigã.

O fato de eu ter conseguido terminar de escrever cerca de três quartos da palestra exigiu que eu construísse “tempo de raciocínio” para isso. Isso permitiu que os alunos acompanhassem o material à medida que o abordávamos, e pedir a eles que fizessem pequenas discussões com seus vizinhos significava que eles não permaneciam receptores passivos das informações. Um assistente de ensino de pós-graduação me disse depois que os alunos sentiram que tinha sido uma das melhores palestras do ano.

Uma apresentação que deixou espaço para engajar, refletir, pensar, cobriu muito menos assuntos, mas os envolveu mais, significando que eles realmente aprenderam alguma coisa. Percebi que as palestras não precisavam ser parecidas com as dos filmes, onde um homem velho de tweed – ou um homem jovem e dinâmico em uma jaqueta de couro – mantém os alunos cativados pela expressão de seu gênio carismático.

Aoife Monks é professora de teatro na Queen Mary University of London

O Guia do Estudante brasileiro no exterior: tudo o que você precisa saber para estudar fora

Apagar as luzes pode não ser uma boa ideia

Quando eu era estudante de graduação, no final da década de 1980, as palestras eram praticamente ministradas por alguém que falava no pódio por 80 minutos seguidos – com alguns instrutores optando por enfatizar alguns destaques com um bom e velho giz no quadro.

Quando cheguei à pós-graduação, cerca de uma década depois, o projetor de computador apareceu e apresentações de slides do PowerPoint começaram a assumir o controle. Depois vieram as conversas do YouTube e do TED. Neste contexto, palestras multifacetadas tornaram-se o burburinho. Os jovens instrutores são frequentemente encorajados a intercalar seus discursos com uma combinação de slides, vídeos e discussões, espelhando as chamadas multimodais em sua atenção, às quais os nativos digitais estão acostumados.

Mas gostaria de oferecer dois conselhos. Primeiro: não saia de suas palestras confiando na tecnologia. Uma palestra não muito boa que se destaca em minha mente foi proferida por um jovem psicólogo que me pediram para observar. Depois que todos os alunos entraram, o instrutor apagou as luzes e ligou o projetor. Era de manhã cedo e eu não tinha certeza se estava pronto para isso.

Mesmo nos melhores momentos, apagar as luzes não é uma ótima ideia. Isso torna os slides mais visíveis, mas tira você do ensino, minimizando sua oportunidade de trazer material para a vida. Nunca seria a palestra mais emocionante.

Glenn Geher é professor de psicologia na Universidade Estadual de Nova York em New Paltz

E mais: Como perder o medo de falar inglês

Não se deixe levar pela reação do público

As melhores palestras de que participei começam com um argumento claro e relativamente simples, passam o tempo evidenciando e complicando, e terminam por convencê-lo de que o argumento permanece. Eu penso em uma palestra consiste em várias camadas diferentes, e espero que meus alunos entendam todas elas. Mas mesmo que a única coisa que lembrem seja o argumento geral, pelo menos eles tiraram algo dele.

Ainda me esforço para tornar minhas palestras tão interativas quanto meus seminários. Encorajo perguntas, uso questionários e defino tarefas em grupo, mas admiro colegas que ensinam de maneira mais participativa. Tais abordagens desafiam a ideia de que as palestras devem ser divertidas e que podem ser efetivamente registradas através de sistemas de captura de palestras.  Prefiro pensar neles como espaços de ensino momentâneos que funcionam melhor ao vivo e face a face: como peças ao vivo com participação do público, em vez de filmes gravados.

Leia também: Como ser bom em ler microexpressões

Quando se trata de satisfação do aluno, no entanto, as coisas nem sempre estão sob nosso controle. Tive o privilégio de ensinar a alunos engajados, mas ainda me lembro daquele que leu um jornal inteiro durante minha palestra. Dito isso, outra aluna que parecia estar dormindo na verdade estava ouvindo, e a que eu pensei que estava escrevendo notas estava nas mídias sociais. Então, eu não julgo mais como minha palestra está passando pelas aparentes reações dos alunos a ela.

Jenny Pickerill é professora de geografia ambiental da Universidade de Sheffield

Às vezes, o melhor a fazer é abandonar o PowerPoint

Quando fui obrigado a dar minhas próprias palestras, surpreendi os alunos dizendo-lhes, no início, que guardassem suas canetas. Em vez disso, dei-lhes um folheto detalhado que continha tudo o que eu estava planejando dizer durante a palestra.

Com o tempo, isso se desenvolveu em uma única folha de duas colunas impressas em ambos os lados. Isso também era tudo de que eu precisava falar. Eu admiti que os alunos poderiam anotar a folha se tivessem pensamentos interessantes; e se eles levantassem bons pontos, eu os incluiria no folheto da próxima vez.

Dentro de alguns anos, o PowerPoint tornou-se a norma e senti pressão para usá-lo. Embora eu conheça alguns acadêmicos que o usam bem, no meu caso foi um retrocesso. Com os folhetos, sempre consegui estabelecer contato visual com meu público. Quando eu usei o PowerPoint, no entanto, a turma estava olhando para a tela. A experiência assemelha-se a ver televisão em demasia e torna os alunos passivos.

Stephen Mumford é professor de metafísica na Universidade de Durham

 

Esse artigo foi originalmente publicado no site Times Higher Education. Para ler a versão na íntegra, clique aqui.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d