7 países em quatro anos: brasileira conta como ganhou bolsa da Universidade Minerva para graduação

brasileira consegue bolsa da Universidade Minerva (1)

A Universidade Minerva, em parceria com a Fundação Estudar, está oferecendo uma bolsa de estudos integral que cobre os quatro anos do curso de graduação na instituição. A bolsa inclui os custos de anuidade e moradia do estudante, podendo chegar a 40 mil dólares. A candidatura é feita em rodadas, e o próximo prazo se encerra no dia 1 de novembro. Entretanto, vale lembrar que as applications serão processadas à medida em que forem recebidas. Ou seja, quem se candidatar mais cedo tem mais chances de ser selecionado para a bolsa da Universidade Minerva.

O benefício é destinado a estudantes brasileiros que comprovem que não têm condições de arcar com o valor da anuidade. Então, se você é curioso, domina inglês, possui um bom histórico acadêmico e atividades extracurriculares relevantes, inscreva-se! É necessário fazer o processo por meio deste link, que indicará que você conheceu a Minerva através do Estudar Fora.

A colunista Bárbara Machado foi contemplada pela bolsa da Universidade Minerva em parceria com a Estudar na edição do ano passado. Agora morando em San Francisco, ela conta mais sobre como conseguiu apoio financeiro.

————–

A primeira vez em que ouvi sobre a Minerva foi em 2017, por meio de um grupo do Facebook de brasileiros que estudam ou que estão se preparando para estudar fora. Na época, uma aluna da Minerva postou que o application estava aberto. A forma como ela descreveu a universidade me chamou muito a atenção, já que percebi que a Minerva fugia totalmente do que se imagina sobre um college tradicional.

Na época, eu já havia começado uma graduação no Brasil. Entretanto, sentia falta de um ambiente acadêmico que me desafiasse de verdade e que me preparasse para resolver os reais problemas do mundo. Por isso, resolvi aplicar para as universidades americanas. No fim, acabei me identificando de uma forma genuína com o sistema educacional americano e a excelência que exigiam de seus alunos.

Desde o início, a Minerva se destacou para mim. Gostei muito do sistema de feedbacks frequentes, por exemplo. Também me chamou a atenção o foco que davam ao processo de aprendizagem e não apenas a um desempenho ou nota. A atenção em direcionar os ensinamentos para a resolução de problemas no mundo e, ainda, a possibilidade de se ter uma vivência global contaram pontos.

Quanto mais lia sobre a Minerva, mais me identificava. Ela oferecia a possibilidade de fazer da minha graduação uma experiência muito mais significativa. Além disso, a forma como o college estrutura os currículos e a importância que dão em tornarem seus estudantes mais conscientes dos problemas da sociedade, me fizeram acreditar no tipo de pessoas, estudantes e profissionais que a Minerva forma. Consegui vislumbrar algo que ia mais a fundo do que apenas um diploma. Vi a chance de fazer da minha educação uma trajetória de descoberta, enquanto aprendia habilidades essenciais para abordar problemas do mundo real.

Como foi conseguir uma bolsa da Universidade Minerva

Entretanto, eu não apliquei para a Minerva de imediato. Eu ainda estava pesquisando sobre os colleges e o processo de transferência para as universidades americanas. Eu só tomei a decisão de aplicar quando recebi um e-mail da Fundação Estudar. Nesse e-mail, informavam que a Fundação oferecia uma bolsa, se os estudantes aplicassem por meio de um link. Como financial aid era um atrativo para mim, eu resolvi tentar a bolsa da Universidade Minerva.

Diferente do processo normal de application, a Minerva tem um processo bastante único. Não é possível estudar para ele e você nunca sabe muito bem como serão os testes propostos. Tudo é feito na hora, no seu computador. Então, o application foi uma surpresa do início ao fim e, ao mesmo tempo, um processo bem natural. Eu só precisei ser eu mesma e usar o conhecimento prévio que eu já possuía.

Aliás, eu achei o application tão natural que, no final, pensei que não tinha me esforçado o suficiente e havia ido mal. Afinal, a Minerva tem uma taxa de aceite super baixa, em torno de 1,5%. Então, quando eu recebi a resposta de que havia sido admitida, fiquei muito surpresa. Tão surpresa que nem contei para minha família. Fui contar só no outro dia depois de ler o e-mail mil vezes e ter certeza de que eles não haviam se enganado e enviado para a pessoa errada.

Preparativos para o primeiro ano

Agora, eu me preparo para a Minerva da melhor maneira possível. Estou fazendo um summer job na Stone Pagamentos, uma empresa de tecnologia que apresenta uma cultura forte e um ambiente dinâmico. Acho que passar os meus últimos dias no Brasil trabalhando foi uma excelente ideia, apesar de estar longe da minha família. Assim, eu estou me preparando para conciliar uma vida de independência, estudo e trabalho. Na empresa, assim como na Minerva, há feedbacks constantes e sinceros. E eu estou também tendo contato com a realidade do empreendedor brasileiro, e aprendendo sobre os mercados de meios de pagamento e tecnologia no Brasil. Com certeza, isso me ajudará a decidir como vou guiar minha vida acadêmica.

Através das conversas que tive com meus veteranos, o primeiro ano parece ser o favorito de todos. Minha expectativa para o primeiro ano é, acima de tudo, conseguir aprender com meus colegas. Terei o privilégio de estar em uma comunidade de pessoas muito inteligentes e diversas e aprender ao máximo com elas é o que mais me chama a atenção.

Em segundo lugar, quero aproveitar a possibilidade que a Minerva dá de explorar diferentes assuntos e aulas. Sempre fui uma pessoa com interesses bastante diversos e o primeiro ano na Minerva me ajudará a filtrar o que eu realmente amo e o que tenho potencial para construir em minha carreira.

Em terceiro lugar, quero explorar San Francisco! Um dos grandes diferenciais da Minerva é a rotação ao redor do mundo. Durante os quatro anos de graduação, os alunos moram em sete países diferentes. A Minerva se preocupa em fazer com que a cidade se torne o “campus” do aluno e prepara atividades e eventos para que seus estudantes tenham uma imersão no lugar. Como um dos meus maiores interesses é tecnologia, quero aproveitar que estarei morando ao lado das maiores empresas do ramo no mundo e capturar um pouco do mindset empreendedor do Vale do Silício.

Por fim, resta dizer que a Minerva já está me ensinando a não me contentar com o que é seguro e esperado. Sair de uma universidade tradicional do Brasil para estudar em um college como nenhum outro, bem no coração de São Francisco. Enquanto isso, ainda vivencio uma experiência de estágio em uma empresa totalmente fora da caixa. Essa combinação tem me ensinado os benefícios em escolher o caminho mais desafiador, porque é isso que vai exigir mais de mim e me levará ainda mais longe.

Sobre a autora

Bárbara Machado é ex-aluna de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Minas Gerais, membro da Class of 2022 da Minerva Schools at KGI e summer job intern na Stone Pagamentos. Apaixonada por business, tecnologia e economia, Bárbara atualmente se prepara para seu primeiro ano estudando fora.

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: