Um projeto: Fundação Estudar

Universidades

Perfis, curiosidades e oportunidades das melhores universidades do mundo

29.08.15

Conheça as 10 universidades com mais vencedores do Nobel no século XXI

Conheça as 10 universidades com mais vencedores do Nobel no século XXI

Nomes famosos como Harvard, Cambridge e Oxford não integram a lista. Veja quais são as instituições com mais prêmios desde 2001!

Por Júlia Vendramini

A prestigiada Universidade Stanford, na Califórnia, Estados Unidos, ficou no topo das instituições com o maior número vencedores do prêmio Nobel no século XXI, em lista feita pela revista britânica Times Higher Education (THE). Foram analisadas mais de cem instituições pelo mundo e levados em considerados somente pesquisadores que venceram o cobiçado prêmio a partir do ano 2001.

Nas 10 primeiras posições estão oito universidades americanas, uma alemã e uma israelense, sendo que nomes importantes como Harvard, Cambridge e Oxford não integram o grupo.

Cada universidade foi pontuada com base no número de vencedores que fazia parte da instituição quando o prêmio foi concedido. A pontuação foi reforçada a partir da quantidade de vezes que uma áreafoi vencida e também pelo número de instituições associadas ao pesquisador. Foram deixados de fora da análise os ganhadores do Nobel da paz e de literatura.

Veja a seguir as 10 primeiras colocadas:

1º. Universidade Stanford

Localizada na região de Palo Alto, próximo ao Vale do Silício, Stanford soma onze ganhadores, sendo que a categoria de química foi vencida por eles de forma consecutiva nos três últimos anos. Conhecida como formadora de empreendedores, a universidade figura no quarto lugar do ranking de melhores do mundo feita também pela THE e em segundo na lista americana, atrás apenas de Harvard.

2º.Universidade Columbia

Uma das mais antigas e tradicionais universidades dos Estados Unidos, Columbia tem em seu hall de antigos estudantes o ex-presidente americano Theodore Roosevelt, e o atual, Barack Obama. O último prêmio Nobel ganho por um membro em atividade na instituição foi em 2008, pelo professor Martin Chalfie na categoria de química pelo uso de Proteína Verde Fluorescente como marcador biológico. No total, a universidade conta com oito premiados em seu atual quadro de pesquisadores.

3º. Universidade da Califórnia em Berkeley

A instituição americana venceu seis prêmios Nobel nas áreas de economia, física e medicina desde o ano 2000. O mais recente aconteceu em 2013, em medicina, para RandySchekmane Thomas Sudhof, pelo estudo do sistema de transporte no interior da célula. Oitavo lugar entre as melhores do mundo, segundo a THE, a instituição é tradicional em estudos de inovação social e saúde. Por exemplo, lá foi descoberto o vírus da gripe e as proteínas LDL e HDL, conhecidas como mal e bom colesterol, respectivamente.

=4. Universidade de Princeton

Sexta melhor universidade do mundo no ranking THE, Princeton é líder em pesquisas na área de ciências econômicas. Tanto que pesquisadores ativos da instituição venceram o Nobel da área em 2002, 2008 e 2011. Christopher Sims foi o último a conquistar a honraria por sua “pesquisa empírica sobre a causa e o efeito na macroeconomia”. No total, ao longo de toda a história, onze vencedores do prêmio de economia passaram pela universidade localizada no estado de New Jersey.

=4. Universidade de Chicago

Empatada em quarto lugar com Princeton, a Universidade de Chicago também é bem sucedida nas pesquisas do campo econômico. Três dos quatro prêmios vencidos pela instituição neste século foram para a área. Eugene Fama e Lars Peter Hansen foram os últimos condecorados da universidade, em 2013, por sua “análiseempírica do preço dos ativos”.

6º. Instituto Médico Howard Hughes

Expoente em pesquisas médicas, o Instituto Médico Howard Hughes, sediado em Chevy Chase, Maryland, EUA, é colaborador de diversos estudiosos vencedores do Nobel. Neste século, nove laureados estavam afiliados ao instituto quando conquistaram o prêmio. O mais recente foi Eric Betzig que ganhou o Nobel de química em 2014 pelo desenvolvimento do microscópio de fluorescência de alta resolução.

7º. Universidade da Califórnia em Santa Barbara

No total, seis acadêmicos em atividade da instituição conquistaram prêmios Nobel: três na área de física, dois em química, e um em economia. O vencedor mais recente é o japonês naturalizado americano Shuji Nakamura, professor de elétrica e engenharia da computação, que conquistou o Nobel de física em 2014 pela invenção do LED azul, componente que permitiu a luz desse tipo ser usada na iluminação comum.

=8º. Massachusetts Instituteof Technology (MIT)

A instituição desejada pelos amantes de ciências, engenharia e tecnologia é um importante laboratório para vencedores do Nobel. O último entregue à universidade foi em 2010, para o economista Peter Diamond, por seu trabalho em “análise de mercados com atrito de busca”. A instituição se destaca na área de física com dois recentes vencedores, Wolfgang Ketterle e Franck Wilczek, em 2001 e 2004, respectivamente. Localizada em Cambridge, Massachusets, EUA, o MIT ocupa a sexta posição no ranking de melhores do mundo do THE.

=8º. Technion – Instituto Tecnológico de Israel

Empatado com o MIT no ranking ficou o Technion – Instituto Tecnológico de Israel, em Haifa, Israel. A instituição venceu três prêmios Nobel este século, todos em química. Dan Shechtman foi o último a conquistar a honoraria, em 2011, por sua descoberta dos quasicristais, estruturas sólidas e resistentes em que os átomos são ordenados de forma aperiódica.

10º. Sociedade Max Planck 

Localizada em Berlim, Alemanha, a organização recebeu seu prêmio Nobel mais recente em 2014, com Stefan Hall pelo microscópio de fluorescência de alta resolução, pesquisa realizada com Eric Betzig, da Howard Hughes Medical Institute. O grupo, criado em 1948, conta ao longo de sua história com 18 ganhadores do Nobel.

Leia também:
As 10 melhores universidades do mundo
10 cursos online e grátis das melhores universidades do mundo

Conecte-se ao Estudar Fora

Leia Mais

impacto social
estudar na Asia
tudo sobre o GMAT
estudar idiomas