O que é o GMAT? Tudo sobre o exame padronizado para pós-graduação

Notebook com um caderno em frente e uma caneca do lado - GMAT -Toefl IBT e TOEFL ITP - toefl em casa

O Graduate Management Admission Test (GMAT) é uma prova de admissão exigida pela maior parte das escolas de negócios nos Estados Unidos e na Europa. Mais de 1.500 programas de MBA em mais de 80 países utilizam as notas do GMAT como uma etapa de seus processos de seleção de alunos.

O GMAT é válido também em alguns mestrados em Finanças, Políticas Públicas, Relações Internacionais, dentre outros. O exame é administrado pelo Graduate Management Admission Council e é realizado em aproximadamente 110 países.

Para ter um bom resultado no teste, o candidato que quer uma vaga em uma escola top precisa se preparar. “As pessoas estudam em média entre 4 a 5 meses para chegar a uma nota competitiva. Eles chegam no teste já tendo feito vários exames simulados. A minha recomendação é nunca enfrentar esse teste de peito aberto, mesmo que você seja bom de inglês e de matemática, porque você tem que conhecer as pegadinhas e fazer a preparação”, explica Ricardo Betti, da MBA empresarial.

Leia também: E-book: Tudo o que você precisa saber sobre o GMAT

Para se preparar, o ideal é que o aluno realize um simulado diagnóstico para avaliar o seu nível no exame e então faça um plano de estudos de acordo com os pontos que precisa melhorar. O próximo passo é buscar orientação com os consultores especializados, em cursos ou estudar sozinho com livros e sites sobre o tema. Outro passo é fazer a inscrição no site www.mba.com, para realizar simulados e se informar mais sobre a prova.

Como funciona o GMAT

A prova, ao contrário do que a maioria acredita, não testa nenhum conhecimento específico de negócios. O que o GMAT busca é o que costuma se chamar de “inteligência mental” e a habilidade de tomar decisões sob pressão de tempo.

O GMAT é dividido em quatro seções:

  • Analytical Writing Assessment (avaliação de escrita analítica): mede sua capacidade de pensar criticamente e comunicar suas ideias;
  • Integrated Reasoning (raciocínio integrado): mede sua capacidade de analisar dados e avaliar informações apresentadas em diversos formatos;
  • Quantitative Reasoning (raciocínio quantitativo): mede sua habilidade de avaliar dados e chegar a conclusões usando métodos matemáticos;
  • Verbal Reasoning (raciocínio verbal): avalia sua competência para ler e entender textos diversos, avaliar materiais escritos e produzir ou editar textos no padrão gramatical inglês.

No total, essas quatro seções têm o objetivo de medir as habilidades matemáticas, de análise de dados, verbais e de leitura e escrita analítica dos candidatos.

Diferente de uma prova convencional, o GMAT é uma espécie de prova “interativa”. Como é realizada em um formato de Computer Adaptive Test (CAT), o teste permite que o nível das questões seja diferente dependendo do desempenho do candidato. Isso é, se você começa bem a prova, começam a vir questões mais complexas, que valem mais pontos.

Como fazer a prova?

A prova custa 250 dólares, tem duração total de 3h30 e é aplicada por centros habilitados. Você não pode fazer mais do que cinco testes no período de 12 meses. No Brasil existem cinco desses centros: confira AQUI onde fazer a prova.

Para analisar se a sua nota no exame é competitiva ou não, você deve se informar sobre qual é a média e qual é o range em geral dos candidatos à universidade em que pretende ingressar. A média é a soma das notas de todos os candidatos, dividido pelo número total de candidatos. Já para calcular o range, são excluídas as dez maiores notas e as dez menores notas, e é feito o cálculo da média dos candidatos que não estão entre os dez melhores, nem entre os dez piores.

Leia também: Descubra 5 diferenças entre GMAT e GRE e decida qual é o melhor para você

“Para a sua nota ser competitiva, ela deve estar pelo menos dentro desse intervalo do range. Mas lembre que a nota no GMAT não é decisiva, pois o processo envolve outras etapas”, explica o especialista Paulo César Moraes, da consultoria em preparação para MBAs Philadelphia Consulting.

E o GRE?

Para programas de MBA internacional, o GMAT domina entre os aceites em instituições de prestígio. Ou seja, as escolas que figuram no topo do ranking costumam ter maioria de aprovados com notas pelo teste. Afinal, o exame se consolidou nessa área e tem sido a opção recorrente dos candidatos há anos.

Leia também: GRE ou GMAT: qual é mais aceito pelas escolas de MBA?

A tendência identificada pela Consultoria MBA House diz respeito ao tipo de universidade que opta mais por um ou outro exame. Segundo dados da empresa, nas escolas mais bem ranqueadas, a dominância é do GMAT. Quanto mais baixa a colocação no ranking, entretanto, a porcentagem de alunos aceitos apresentando o GRE aumenta.

É o caso da Ross School of Business, da University of Michigan, que lidera com 19% de seus estudantes admitidos com o GRE. Outra instituição de prestígio, o MIT (Massachussetts Institute of Technology) aparece em seguida, com 18%. Já a Questrom School of Business, da Boston University, por sua vez, aceitou 29% dos candidatos que apresentaram nota do GRE neste ano.

4 dicas essenciais para se preparar para o GMAT

#1 Veja quais são as instituições que interessam mais

Definir um objetivo claro vai te ajudar a planejar tudo. Com uma busca simples, você consegue verificar a pontuação necessária para assegurar um lugar na instituição de interesse.

Se o seu MBA dos sonhos é oferecido pela Universidade Cornell, nos Estados Unidos, por exemplo, o marco de 692 pontos é suficiente. Nas mais concorridas – entre elas, a Universidade Harvard, a Universidade Stanford e a Dartmouth College, também americanas, é necessário ultrapassar os 720 pontos, em média.

Em termos práticos, essa escolha vai te ajudar na hora de identificar as cinco universidades às quais você pretende enviar seus resultados – um serviço já incluso no preço do GMAT. Com a definição em mãos, também fica mais fácil avaliar o quão intenso deve ser o cronograma de estudos para a prova.

#2 Faça um plano (honesto) de estudos

Assim como um vestibular disputado, o GMAT exige treino, prática nas questões. Justamente por isso, o ideal é não deixar para a última hora, nem fazer a prova – que exige um investimento de 250 dólares – sem preparo algum.

Com base nas instituições que você já elegeu como foco, é só esquematizar quantas horas por dia ou por semana é possível se dedicar ao GMAT. Correr atrás de universidades que estão entre as melhor avaliadas exige mais esforço e uma rotina de estudos mais intensa, distribuída pelo tempo disponível até o teste.

“Um estudante pode passar de três a quatro meses treinando, se conseguir dedicar duas horas ao GMAT todos os dias”, opina Darrin Kerr, consultor da FK Partners, empresa especializada na preparação de candidatos para cursos no exterior. Se o período que você dedica aos estudos tende a oscilar, o melhor é trabalhar com um prazo de 4 a 6 meses.

#3 Separe os materiais de apoio

Já dá para listar, logo de cara: os simulados gratuitos oferecidos pela instituição que elabora o teste, o Graduate Management Admission Council (GMAC). Com o recurso das provas à disposição, e dependendo do seu orçamento disponível, vale investir em livros preparatórios.

Alguns livros publicados fora, como o Kaplan Prep Test serviriam para complementar o aporte teórico para o GMAT, e são, inclusive, usados por consultorias como a FK Partners. Com estes materiais em mãos, divida-os por áreas e planeje o tempo que vai dedicar a cada um. Sabe aquela seção de matemática que você não teve na graduação? Separe um tempinho extra para ela.

#4 Foque nas áreas mais problemáticas

De modo geral, as equipes que preparam brasileiros para o GMAT apontam as partes do exame que exigem mais de textos e gramática como mais complicadas. Não porque o nível dessa parcela da prova destoe das demais, mas porque a barreira idiomática ainda existe. “Dentro da parte verbal do teste, o que gera mais dúvidas nos brasileiros é a de correção de frases. Algumas das regras mais complexas da língua inglesa podem ser bem difíceis de dominar”, explica Darrin, que já orientou centenas de brasileiros interessados em MBA.

Resumindo:

O que é o GMAT?

O Graduate Management Admission Test (GMAT) é uma prova de admissão exigida pela maior parte das escolas de negócios nos Estados Unidos e na Europa. Mais de 1.500 programas de MBA em mais de 80 países utilizam as notas do GMAT como uma etapa de seus processos de seleção de alunos.

Como funciona o GMAT?

A prova não testa nenhum conhecimento específico de negócios. O que o GMAT busca é o que costuma se chamar de “inteligência mental” e a habilidade de tomar decisões sob pressão de tempo. Ela tem duração total de 3h30 e é aplicada por centros habilitados. Você não pode fazer mais do que cinco testes no período de 12 meses.

Em quais seções é dividida a prova?

São quatro seções: Analytical Writing Assessment, Integrated Reasoning; Quantitative Reasoning e Verbal Reasoning. No total, essas quatro seções têm o objetivo de medir as habilidades matemáticas, de análise de dados, verbais e de leitura e escrita analítica dos candidatos.

Como fazer o GMAT?

A inscrição deve ser feita por meio do site do Graduate Management Admissions Council, que realiza a prova. Em seguida, ela é aplicada em um de cinco centros de teste no Brasil. A inscrição custa US$ 250.

Quanto é uma boa nota no GMAT?

Para saber isso, você deve saber a média e o range dos candidatos à universidade em que quer ingressar. A média é a soma das notas de todos os candidatos, dividido pelo número total de candidatos. Já o range exclui as dez maiores notas e as dez menores notas, e calcula a média dos candidatos que não estão entre os dez melhores, nem entre os dez piores. Se sua nota estiver na média, ou pelo menos no range, ela pode ser considerada boa.

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: