Um projeto: Fundação Estudar

Pós Graduação

O que você precisa saber para cursar uma pós-graduação fora do Brasil

10.02.16

10 erros comuns para evitar ao escrever as redações do MBA

10 erros comuns para evitar ao escrever as redações do MBA

Não há receita pronta para uma redação de sucesso, mas há erros que espantam os avaliadores. Descubra quais são e evite-os!

As essays (redações) são parte fundamental do processo de candidatura para cursos de MBA no exterior e não devem ser encaradas com medo. É neste momento que você tem a chance de impressionar o comitê de avaliação e mostrar o que o diferencia das outras centenas de candidatos com notas semelhantes no GMAT (uma das provas solicitadas).

MBA no exterior: dicas para escrever redações competitivas

Ainda que não exista receita pronta sobre como estruturar uma redação de sucesso, há alguns erros que você deve evitar. A revista Business Week elaborou uma lista com as 10 falhas mais corriqueiras, e o Estudar Fora as traduziu para você:

1. Esquecer-se de responder à pergunta dada. Candidatos às vezes podem estar tão determinados a falar sobre um determinado assunto – ou a evitá-lo a qualquer custo – que falham ao responder, de forma sucinta, à pergunta proposta. Não resposta com “o que” quando a pergunta for “por que?” ou “como?”, por exemplo.

2. Usar jargões da indústria ou linguagem pretensiosa. Nunca assuma que o comitê de avaliação tem familiaridade com alguma indústria específica. Escreva para uma audiência ampla, evite floreios ou construções complexas. Com centenas de inscrições sobre a mesa, a equipe de seleção terá apenas alguns minutos para revisar cada redação – por isso, elas devem ser facilmente digeridas.

3. Basear as essays no que acredita que o comitê de avaliação está esperando. Mesmo que você tenha uma ideia de o que determinada escola de negócios procura em seus candidatos, este não é o momento para se adaptar ao papel de “estudante ideal”. Esta atitude incomoda o comitê de seleção, e é por isso que a cada ano eles se esforçam mais para fazer perguntas criativas nos formulários. Mantenha-se fiel ao que você é e ao que deseja profissionalmente.

4. Usar um tom negativo, reclamando ou se lamentando. Enquanto prepara histórias para ilustrar características como liderança, habilidade de resolver problemas ou de trabalhar em equipe, não inclua críticas a colegas de trabalho ou reclamações sobre o seu superior, mesmo que de forma sutil. Mantenha sempre um tom positivo.

5. Mentir ou exagerar sua experiência. Para alguns candidatos, pode ser tentador incrementar alguns detalhes ou embelezar resultados na esperança de passar uma boa impressão. O comitê de avaliação, porém, tem várias maneiras de checar as informações fornecidas pelo candidato, e descobrir inverdades resulta em rejeição imediata – mesmo quando é erro inocente. Seja preciso quanto às suas reais conquistas.

6. Não demonstrar paixão. A maior parte dos candidatos ao MBA não são escritores profissionais e, às vezes, cometem o erro de escrever redações que são informativas, lógicas, bem organizados e – sem querer – entediantes. Esta não é a hora de contar a história do seu currículo. Você deve tentar se conectar em um nível emocional com a pessoa que fará a avaliação, se quiser se destacar. Convença-os que você não apenas é capaz, mas que é especial e que eles perderiam muito sem a sua presença.

7. Discutir assuntos inapropriados. Ao mesmo tempo que você deseja que o comitê de seleção conheça a pessoa por detrás do papel, alguns assuntos não cabem a uma redação para uma escola de negócios. Deixe de lado menções às suas crenças ou posições políticas; evite o assunto dinheiro e como você deseja ficar milionário após o MBA; e, a não ser que sua profissão seja comediante, tenha muito cuidado com piadas.

8. Ignorar o limite de palavras. Em quase todos os casos, há um limite de palavras para as redações. Com centenas de inscrições para analisar, eles não terão tempo para revisar respostas que se pareçam com epopeias. É normal ultrapassar um pouco, mas o descaso completo para a orientação significa um alerta de que você: 1) tem problemas em seguir instruções e/ou 2) não consegue se expressar de forma concisa.

9. Fazer referência a experiências do ensino médio. A não ser que você tenha feito coisas absolutamente incríveis durante a adolescência – começado um negócio, levantado muito dinheiro por uma causa, construído casas no Quirguistão – atenha-se às histórias dos últimos três anos da sua vida. Candidatos que estão se inscrevendo imediatamente após a graduação podem mencionar conquistas da universidade. Já aqueles com mais tempo no mercado de trabalho devem focar no desenvolvimento atual da sua carreira. Exemplos recentes dão ao comitê de avaliação um melhor senso de onde você está, pessoalmente e profissionalmente.

10. Inventar desculpas. Seja por um desempenho acadêmico abaixo do esperado, por ter sido demitido, por ter uma ficha criminal – candidatos temem serem rejeitados se admitirem este tipo de histórico. Trate do assunto diretamente, assuma a responsabilidade e explique o que você aprendeu e como buscou melhorar após a situação. Desculpas não são necessárias, nem desejáveis.

Veja a matéria original da Business Week aqui (em inglês)

Leia também:
MBA no exterior: dicas para escrever redações competitivas
O que escrever nas essays de pós-graduação?
Leia a redação que ajudou brasileiro a fazer mestrado em Stanford

Conecte-se ao Estudar Fora

Leia Mais

impacto social
estudar na Asia
tudo sobre o GMAT
estudar idiomas