Estudar cinema no exterior: conheça as melhores instituições na Europa e EUA

Lodz Film School, na Polônia.

Por Priscila Bellini

Os apaixonados pela sétima arte contam com inúmeras opções de universidades no exterior para estudar cinema. Quer você adore um blockbuster, quer prefira o circuito alternativo de filmes, existe uma instituição que seria o lugar ideal. E esse é o segredo para descobrir qual o melhor programa para uma graduação ou pós fora do país: identificar qual delas se encaixa ao seu perfil.

De modo geral, a receita em comum nos melhores programas de cinema inclui aspectos tecnológicos e ensinamentos sobre as diferentes formas de storytelling. Como Joe Byron, da Los Angeles Film School, destaca, há diversos papéis envolvidos em construir uma boa narrativa – e criar, no seu produto final, os filmes que param nas telas de cinema e nos festivais. “Não há apenas uma narrativa, mas várias: a visual, a sonora, a musical são narrativas que devem avançar durante o desenvolvimento do filme”, sintetiza ele.

Outro ponto crucial para as escolas mais conceituadas está em oferecer cursos que contemplem as múltiplas carreiras possíveis. “Qualquer pessoa que tenha assistido à série de filmes Harry Potter ou ao Senhor dos Anéis e esperado para ler os créditos finais vai ver que são muitos nomes aparecendo na tela”, diz ele, que comanda o setor de engajamento de alunos e ex-alunos. Ainda que o nome do diretor se sobressaia, por trás de um bom filme existe um batalhão de profissionais que se dedicaram a cada detalhe. Uma boa instituição apresenta programas que contemplem tais carreiras.

Pensando nisso, conheça algumas das instituições que se destacam em matéria de cinema — e quais vantagens cada uma delas oferece.

Los Angeles Film School

A localização já dá uma pista sobre a instituição de ensino: situada no coração de Hollywood, no Sunset Boulevard, a LA Film School forma roteiristas, diretores de fotografia e outros profissionais notáveis. Dentro do campus, os estudantes contam com equipamentos de primeira linha e podem se especializar em áreas como Cinema, Produção Cinematográfica, Entertainment Business e Animação. Dentro da graduação, algumas das majors oferecidas são roteiro, direção e produção.

Como Joe Byron destaca, a grande sacada de LA Film School é possibilitar a integração dos alunos com a realização de filmes “de verdade”. “Os alunos da LAFS trabalham com equipes de verdade, fazem filmes de verdade. O programa nunca é uma simulação. O estudante que se forma sai da escola com um currículo excelente”, ele conta. Nesse contato com o mercado de trabalho, e com professores inseridos no meio, cada um desenvolve áreas pelas quais nutre interesse — por exemplo, roteiro e produção de documentários.

Para aplicar para a LAFS, não há necessidade de experiência profissional anterior. “O melhor candidato é o que ama cinema e viu muitos filmes. Também é alguém que se apaixonou pela ideia de tornar isso uma carreira e que está disposto a se esforçar muito para aprender a fazer isso”.

Lodz Film School

Quem se interessa pelo circuito de cinema mais alternativo pode apostar, na instituição polonesa. Entre os ex-alunos mais famosos estão Krzysztof Kieślowski, diretor da famosa Trilogia das Cores, e Andrzej Wajda, aclamado por filmes como “O homem de ferro” e “O homem de mármore”.

A história da instituição por si só chama a atenção: foi fundada por artistas poloneses logo após a Segunda Guerra Mundial, em 1948, na esperança de formar bons cineastas. Hoje em dia, é uma das escolas mais tradicionais do mundo e produz, junto aos alunos, mais de 300 filmes ao ano — graças à Film Production Unit, dedicada a viabilizar os projetos cinematográficos e apoiar os alunos. É um dos poucos lugares em que, já nos dois primeiros anos, os alunos fazem os registros em filmes de 16 mm e 35 mm.

Em um dia normal, os estudantes usam estúdios de TV e rádio da instituição e contam, ainda, com salas de edição e animação para suas produções. Para ter acesso a programas na instituição, o jeito é se preparar para testes e entrevistas, além da análise do currículo. Para ter uma ideia da concorrência em jogo, basta se debruçar sobre os números: foram 150 candidatos internacionais para as sete vagas do mestrado em direção, que tem duração de cinco anos.

CalArts

A história do California Institute of the Arts, apelidado de CalArts, tem muito a ver com a história do cinema e da animação. Fundada por Walt Disney, a instituição reúne ex-alunos notáveis como Tim Burton, e atrai estudantes do mundo todo para cursos de Direção Cinematográfica e Cinema e Vídeo.

Para se tornar aluno da CalArts, é necessário passar por um processo seletivo que inclui análise de currículo, cartas de recomendação e um dos aspectos mais destacados pelo setor de admissões: o artist statement. Nesse documento escrito, o candidato deve explicar quais questões o envolvem mais enquanto artista, quais seus objetivos e qual o motivo para ingressar na CalArts.

Há ainda requisitos como os comentários, que devem tratar de filmes ou livros que influenciaram o candidato, e os planos para um projeto, em que o aluno descreve sua ideia para um filme hipotético. Uma das opções para os interessados é encaminhar, também, textos em formato alternativo, como poemas e contos, com tamanho máximo de três páginas cada.

Leia mais:
10 instituições que oferecem bolsa para estudantes de cinema e audiovisual
Brasileira ganha bolsa do criador de Star Wars para estudar nos Estados Unidos

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: