Inicio Aluna-prodígio de Harvard e Yale dá 10 dicas para ser mais eficiente nos estudos

Aluna-prodígio de Harvard e Yale dá 10 dicas para ser mais eficiente nos estudos

0
Aluna-prodígio de Harvard e Yale dá 10 dicas para ser mais eficiente nos estudos
Sophia D. Chua-Rubenfeld, aluna-prodígio de Harvard e Yale

Se perguntássemos a cada estudante de uma universidade renomada sobre sua rotina específica de estudos, é bem provável que as respostas entre eles tivessem vários pontos em comum. Mas, e se reuníssemos as dicas de uma só aluna que, além de ser pós-graduada em Harvard e Yale, foi criada para ter o maior sucesso acadêmico possível? A menina-prodígio em questão é Sophia Chua-Rubenfield!

A jovem, que recentemente se tornou doutora em direito, é filha da escritora Amy Chua, também conhecida como “a Mãe Tigre” graças ao método de criação de tigres que estimula as crianças a serem notáveis. Por mais que a autora seja considerada por muitos um exemplo de extremismo, não dá para negar que, de anseios acadêmicos, ela entende – afinal, além de escritora, a mãe de Sophia é também professora de direito de Yale. 

Em seu blog pessoal, a jovem compartilhou várias dicas para otimizar os estudos. E tem uma frase que é o fio condutor de como ela encara a própria aprendizagem: “estude menos, mas estude melhor”. Apesar da criação extremamente disciplinada, uma coisa é certa: qualquer um pode seguir as recomendações da ex-aluna de Harvard e Yale. Confira!

Principais dicas de Sophia Chua-Rubenfeld para ser eficiente nos estudos

#1 Faça anotações à mão. É uma ótima forma de gravar o conteúdo na memória

#2 Saia da biblioteca. Isso mesmo! O simples fato de estar em uma não o enche de conhecimento

#3 Deixe seus amigos confiscarem seu telefone quando notarem que você está se distraindo demais

#4 Pare de grifar textos. Sublinhar trechos dá a sensação de que você está focado, mas pode te levar a entrar no “piloto automático”. É mais produtivo escrever anotações nas margens das páginas

Leia também: Rotina de estudos: 11 dicas para criar (e manter!) a sua

#5 Seja um leitor inteligente, não um robô. Questione os interesses e argumentos do autor. Escolha exemplos e anedotas e memorize-os

#6 Não leia tudo, mas dedique-se a entender tudo o que ler. É melhor ter compreensão profunda de uma quantidade limitada de material, do que o entendimento vago de um curso inteiro

#7 Se você não entender, com certeza cairá no teste! Solução: faça pesquisas em livros didáticos e na internet

#8 Embora a memorização seja freqüentemente desprezada, é necessário, sim, aprender fórmulas, nomes e datas. Para memorizar com eficácia, revise em voz alta e escreva

#9 Peça também a seus amigos que te ouçam atentamente enquanto você explica a eles um conceito difícil. Isso vai ajudar a melhorar sua própria compreensão sobre determinado tema

#10  Para conseguir ir direto ao ponto, o ideal é tentar descobrir onde cada conceito se encaixa em um todo. Se você aprender um milhão de fatos, mas não souber onde eles se encaixam, não fará sentido

Relação entre “O grito de guerra da mãe-tigre” e os estudos

No polêmico livro Battle Hymn of the Tiger Mother, a professora de Yale detalhou a técnica oriental que adota, citando como base um estudo segundo o qual 70% das mães ocidentais achavam que o sucesso acadêmico não fazia bem a seus filhos, enquanto, na via oposta, a maioria das orientais acreditava, de fato, que seus herdeiros poderiam, sim, ser os melhores alunos. 

Isso estaria ligado a um conjunto de regras rígidas na criação, que tem a premissa básica de ensiná-los a trabalhar duro para conquistar o que desejam. As próprias filhas de Amy Chua, Sophia e Louisa, foram privadas de ver televisão e brincar no pátio do colégio, por exemplo, além de serem proibidas de tirar menos que a nota máxima na escola. Apesar de toda a severidade, Sophia Chua-Rubenfield chegou a publicar um artigo no New York Post dizendo que a educação rígida que recebeu, na verdade, a tornou mais independente.

 

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo:

Leia